Parasha Shoftím (Juízes)   

Beit HaDerekh

Parasha Shoftím(Juízes)       שׁוֹפְטִים

Dt. 16:18-21:9, Is. 51:12-52:12, Jo 11:1-57

DEUTERONOMIO – Capítulo 20:1- 4

1 Quando saíres à peleja, contra teus inimigos, e vires cavalos, e carros, e povo mais numeroso do que tu, deles não terás temor, pois contigo está o Senhor teu Deus que te fez subir da terra do Egito.  2 Quando estiveres para entrar na peleja, o sacerdote se chegará e falará ao povo, 3 e lhe dirá: Ouvi, é Israel; vós estais hoje para entrar na peleja contra os vossos inimigos; não se amoleça o vosso coração; não temais nem tremais, nem vos aterrorizeis diante deles; 4 pois e Senhor vosso Deus é o que vai convosco, a pelejar por vós contra os vossos inimigos, para vos salvar. 

 

A lição desta noite é uma das mais difíceis, porque o assunto principal é Guerra Santa que é uma guerra iniciada por Deus sob Seu comando direto, supervisionada por D’us e TERMINADA por Deus.

O combate de inúmeras outras guerras durante nossas vidas s milênios que antecederam nossa era podem ter boas e justas causas e muitas foram travadas usando o nome de Deus como pretexto.

Mas, o homem não tem autoridade para declarar algo como “santo”, por mais “piedoso” ou justo que possamos pensar que seja.

O Senhor é o único que tem direito de declarar o que é santo que é comum ou imundo. Certamente, muitas guerras são travadas em nome da religião, mas isso não é uma Guerra Santa. Portanto, existem regras especiais que se aplicam à guerra santa e estudaremos hoje.

Pode não parecer à primeira vista, mas as palavras do capítulo 20 (especialmente dos versículos 10 até o fim) têm efeitos de longo alcance.

Deuteronomio – Capítulo 20   10 Quando te aproximares duma cidade para combatê-la, apregoar-lhe-ás paz.11 Se ela te responder em paz, e te abrir as portas, todo o povo que se achar nela será sujeito a trabalhos forçados e te servirá.12 Se ela, pelo contrário, não fizer paz contigo, mas guerra, então a sitiarás, 13 e logo qu Senhor teu Deus a entregar nas tuas mãos, passarás ao fio da espada todos os homens que nela houver;14 porém as mulheres, os pequeninos, os animais e tudo o que houver na cidade, todo o seu despojo, tomarás por presa; e comerás o despojo dos teus inimigos, qu Senhor teu Deus te deu.15 Assim farás a todas as cidades que estiverem mais longe de ti, que não são das cidades destas nações. 16 Mas, das cidades destes povos, qu Senhor teu Deus te dá em herança, nada que tem fôlego deixarás com vida;17 antes destruí-los-ás totalmente: aos heteus, aos amorreus, aos cananeus, aos perizeus, aos heveus, e aos jebuseus; como Senhor teu Deus trdenou;18 para que não vos ensinem a fazer conforme todas as abominações que eles fazem a seus deuses, e assim pequeis contra o Senhor vosso Deus.  

Existem livros inteiros escritos sobre esses 11 versículos, tão profundos que têm impacto na compreensão do livro de Josué em particular e também em quase toda a história registrada e não registrada de Israel na Terra Prometida.

Ultimamente, um novo campo de entendimento teológico está se apresentando, é o que passou a ser chamado de “guerra espiritual”, da qual muitos livros já foram escritos (alguns bons, outros tão fantasiosos e cheios de bruxaria que são perigosos).

Não há dúvida de que a guerra entrs homens (pelo menos a guerra santa) tem um componente espiritual definido e discernível; e, de fato, além da guerra humana, também existe um tipo de guerra no mundo espiritual que está CONFINADA no mundo espiritual.

Enquanto na Guerra Santa para conquistar Canaã, vemos homens lutando contra homens, mas nos bastidores O Eterno estava operando rquestrando de tal forma qu resultado foi predeterminado; então, às vezes, coisas sobrenaturais ocorriam para garantir a vitória de Israel (como quando os muros de Jericó caíram).

A rigor, isso não era guerra espiritual; antes, a guerra espiritual que alguns na igreja pregam é sobre humanos de carne sso (crentes no Messias) entrando em confronto direto com seres espirituais malignos.

Em outras palavras, o conceito de guerra como um paradigma que Deus usa para alcançar Seu objetivo final de “paz na terra e boa vontade entre todos os homens” começa aqui em Deuteronômio, ond assunto é Guerra Santa.

As guerras de conquista do rei Davi não foram guerras sagradas. E quando eram sagradas até certo ponto, ele nem sempre as processava dentro dos limites das leis de Deus relativas à Guerra Santa.

Um guerreiro santo que faz as coisas de Deus não precisa viver com culpa de sangue na cabeça; David sentia culpa de sangue pois muitas de suas decisões eram carnais e egoístas por natureza sangue que derramou às vezes por razões pessoais e glória; ele pagou um preço alto.

A Batalha do Armageddon é a guerra que irá acabar com todas as guerras, isso nos impulsionará para a era em que não haverá mais guerra. Por quê? Porque esta é  Guerra Santa, e Yeshua a fará como Josué deveria ter feito; todos os inimigos de Deus serão destruídos e assim (pelo menos por um tempo) a maldade na Terra deixará de existir.

Deixe-me dar outro pensamento para outro tópico difícil e controverso e, e em seguida, discutiremos o propósito, a intenção contexto do princípio da Torá de “ olho por olho”, dente por dente ”.

Deuteronômio 19

15 uma só testemunha não se levantará contra alguém por qualquer iniqüidade, ou por qualquer pecado, seja qual for o pecado cometido; pela boca de duas ou de três testemunhas se estabelecerá o fato.16 Se uma testemunha iníqua se levantar contra alguém, para o acusar de transgressão,17 então aqueles dois homens que tiverem a demanda se apresentarão perant Senhor, diante dos sacerdotes e dos juízes que houver nesses dias 18 E os juízes inquirirão cuidadosamente; e eis que, sendo a testemunha falsa, e falso o testemunho que deu contra seu irmão,19 far-lhe-ás como ele cuidava fazer a seu irmão; e assim exterminarás o mal do meio de ti.20 Os restantes, ouvindo isso, temerão e nunca mais cometerão semelhante mal no meio de ti. 21 O teu olho não terá piedade dele; vida por vida, olho por olho, dente por dente, mão por mão, pé por pé.  

 Eu já disse que esse era um princípio que deveria ser usado como base para o sistema de justiça civil e criminal de Deus; não era um princípio de vida a ser usado em relacionamentos pessoais.

Temos uma tendência no mundo judaico-cristão de misturar as instruções divinas destinadas ao uso no contexto jurídico com as usadas nas relações interpessoais. E já mencionei qu Messias falou extensivamente sobre a diferença entrs dois.

Como a guerra santa envolve muita destruição de animais, propriedades e vida humana, então aqui está outro princípio da Torá que precisa ser trazido de volta ao contexto apropriado.

As regras de combate da Guerra Santa demonstram intolerância absoluta e falta de misericórdia para com aqueles qu Senhor marcou para destruição.

Então, como enquadrar esse princípio de Deus com uma das advertências mais famosas de Yeshua para “amar seus inimigos”?

Será que  o D’us do AT é diferente do D’us do novo?  Será qu D’us, cuja natureza nunca muda,de repente mudou?

Leia  Mateus 5:38   38 Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente.39 Eu, porém, vos digo que não resistais ao homem mau; mas a qualquer que te bater na face direita, oferece-lhe também a outra;40 e ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa; 41 e, se qualquer tbrigar a caminhar mil passos, vai com ele dois mil. 42 Dá a quem te pedir, e não voltes as costas ao que quiser que lhe emprestes.43 Ouvistes que foi dito: Amarás ao teu próximo, diarás ao teu inimigo. 44 Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, rai pelos que vos perseguem; 45 para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos.46 Pois, se amardes aos que vos amam, que recompensa tereis? não fazem os publicanos também o mesmo? 47 E, se saudardes soments vossos irmãos, que fazeis demais? não fazem os gentios também o mesmo? 48 Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celestial.  

Observe com cuidado o contexto em que Yeshua falou Suas palavras para “amar seus inimigos”. É dito no contexto de estar contra a “olho por olho e dente por dente” porqulho por olho era tudo sobre proporcionalidade adequada no sistema de justiça legal.

Quando Jesus falou em amar seus inimigos, NÃO se tratava da reversão do aspecto legal do sistema de justiça de Deus, mas de relacionamentos pessoais.

“Seus inimigos” são aqueles conhecidos ou parentes ou qualquer pessoa que tenha algo contra você (por um bom motivo ou não); não se refere a um ladrão que pode vir e cometer um crime e assaltar você.

Seus inimigos (neste contexto) também se referem àqueles que têm autoridade sobre você ou a alguém que possa estar perto de você qu trata injustamente, insulta, fende seus sentimentos; não se refere a alguém que pegou uma faca e matou seu filho em um ato de violência.

Dar um tapa na cara e você virar o outro é tudo sobre ser injustamente repreendido ou injustamente tratado e você se recusar a se vingar e fazer o mesmo de volta.

Dar um tapa na cara de alguém era um idioma hebraico para humilhar alguém; não é sobre assalto e luta. No Oriente Médio, ao humilhar alguém era comum ser revidado como vingança.

Portanto, não se trata de cometer um crime, como mover um marcador de limite na esperança de roubar terras. Neste caso, existe um sistema de justiça criado para lidar com essas violações civis e criminais contra você e, no outro (ame seus inimigos), essas são questões pessoais que você deve lidar em nível pessoal.

Veja que existe um enorme abismo entrs inimigos de Deus s nossos inimigos. Yeshua nos diz para amar nossos inimigos; NUNCA Ele nos diz para amar os inimigos de Deus. Amar os inimigos de Deus é dissolver qualquer união com Deus.

Nunca devemos aceitar aquilo que Deus rejeita. Como podemos amar o que Deus odeia e depois chamar isso de unidade? Por outro lado, mesmo que não tenhamos nada pessoalmente contra os inimigos de Deus, NÃO devemos aceitá-los.

Devemos rejeitá-los como Deus faz. Agora, deixe-me esclarecer: alguém que vai a uma congregação diferente da sua e adere a um conjunto diferente de doutrinas, provavelmente NÃO é inimigo de Deus.

Alguém que você pode ver como uma pessoa realmente ruim por causa de sua imoralidade não é necessariamente inimigo de Deus. Deus define Seus inimigos como aqueles que estão em total rebelião contra Ele a tal ponto que eles nunca serão eleitos para redenção;

São aqueles que Ele marcou para a destruição por causa de sua determinação contra Ele, e que em vez disso estão com o Maligno. Na maioria das vezes, talvez não consigamos discernir qual é qual, do ponto de vista terreno, por isso temos que ter muito cuidado na escolha.

E precisamos errar do lado do amor e da misericórdia. Está orientação da Torá e do Espírito é extremamente necessária em nossas vidas,

Entenda também que, do ponto de vista bíblico (e eu já discuti isso nas lições passadas), odiar alguém NÃO é tanto uma enorme aversão emocional que beira o homicídio, como costumamos pensar.

MUITO mais significa rejeitar completamente algo ou alguém ou, em alguns casos, rejeitar o que essa pessoa acredita ou representa. Amar, por outro lado, é aceitar de todo o coração, em vez de simplesmente gostar de uma pessoa em um nível profundamente emocional (e, por favor, não pense que estou dizendo que a emoção não faz  parte da equação, é apenas muito menos do que normalmente atribuímos a ele, pelo qual fazemos amor e ódio quase puramente emocionais).

Uma pessoa que é “odiada” por Deus é rejeitada por Deus.

Uma pessoa que é amada por Deus é aceita por Deus. E esse é o senso de ódio e amor que precisamos entender ao ler as Escrituras, e é o sentido que precisamos imitar.Vamos continuar a ler o restante de Deuteronômio 20.

Este é um capítulo desafiador. Isso levou a todos os tipos de doutrinas, desculpas, racionalizações e mal-entendidos entrs cristãos. É por isso que eu queria prepará-lo (pelo menos em um pequeno grau) antes de continuarmos.

Não precisamos envelhecer muito antes dlharmos para trás em nossas vidas e vermos que havia oportunidades duro para fazer algo importante, valioso e duradouro, mas elas foram perdidas.

E muitas vezes essa oportunidade nunca surgirá novamente da mesma maneira impactante. A razão é geralmente que há uma bifurcação na estrada da vida, e uma via nos coloca em uma trilha e a outra via nos coloca em uma trilha diferente.

Além disso, à medida que as sociedades evoluem e mudam, algumas práticas e costumes são descartados para nunca mais serem vistos. Portanto, o que era possível em uma época da história (digamos, 300 anos atrás) não é mais possível hoje. Por exemplo:

O que teria acontecido no final dos anos 30 s mundo não tivesse decidido enfiar as cabeças coletivas na areia e ignorar o que Hitler estava fazendo na Europa?

E se fizéssemos o que tantos líderes militares e líderes mundiais sabiam que deveríamos fazer, mas não havia vontade política de fazer.

Por um lado, metade da população judaica do mundo não teria sido assassinada. Cem milhões de vidas humanas de várias nações talvez, seriam poupadas se

APENAS tivéssemos tido a oportunidade de deter um louco antes que ele se tornasse tão poderoso qu preço para encerrar seu reinado de terror seria uma Guerra Mundial.

O mundo é um lugar diferente agora (e não para melhor), e não há como voltar atrás. A oportunidade foi perdida.

Bem, Josué e Israel estavam prestes a ter a oportunidade de exterminar a iniquidade inimaginável. Isso significaria uma destruição em larga escala de seres humanos, feita de uma maneira que consideramos tão bárbara e cruel que é quase inconcebível.

No entanto, o mundo daquela época operava de uma maneira que a guerra desse tipo era a norma, e não exceção. Era horrível, mas era usual.

Os israelitas de fato poderiam não apenas ter expulsado os indesejados de Canaã, mas também ter destruído os inimigos de Deus que Ele instruiu Israel a destruir, mas eles escolheram seguir outro caminho.

Eles permitiram qus inimigos de Deus permanecessem e descobriram da maneira mais difícil que, se você é um amigo de Deus, eventualments inimigos de Deus também se tornarão seus inimigos (gostem ou não).Vamos voltar ao versículo 10 e ver o que Deus está nos ensinando sem julgá-lo.

DEUTERONOMIO – Capítulo 20   10 Quando te aproximares duma cidade para combatê-la, apregoar-lhe-ás paz.11 Se ela te responder em paz, e te abrir as portas, todo o povo que se achar nela será sujeito a trabalhos forçados e te servirá.12 Se ela, pelo contrário, não fizer paz contigo, mas guerra, então a sitiarás, 13 e logo qu Senhor teu Deus a entregar nas tuas mãos, passarás ao fio da espada todos os homens que nela houver;14 porém as mulheres, os pequeninos, os animais e tudo o que houver na cidade, todo o seu despojo, tomarás por presa; e comerás o despojo dos teus inimigos, qu Senhor teu Deus te deu.15 Assim farás a todas as cidades que estiverem mais longe de ti, que não são das cidades destas nações. 16 Mas, das cidades destes povos, qu Senhor teu Deus te dá em herança, nada que tem fôlego deixarás com vida;17 antes destruí-los-ás totalmente: aos heteus, aos amorreus, aos cananeus, aos perizeus, aos heveus, e aos jebuseus; como Senhor teu Deus trdenou;18 para que não vos ensinem a fazer conforme todas as abominações que eles fazem a seus deuses, e assim pequeis contra o Senhor vosso Deus.   

Primeiro, para Israel oferecer “paz” a uma cidade antes de atacar, significa que eles oferecem termos favoráveis ​​de rendição.

Não se trata de torná-los amigos. Essa cidade tem a oportunidade de simplesmente abrir seus portões ao exército de Israel e se submeter. Ah, mas isso significa ainda mais. Também significa que a liderança daquela cidade concorda em se tornar parte da comunidade de Israel.

O NÍVEL de quão integrados eles se tornarão em Israel depende de estarem satisfeitos por serem estrangeiros residentes (parte de Israel, vivendo entre Israel e sujeitos às leis de Israel), mas NÃO se tornando israelitas oficiais.

Estrangeiros residentes são aqueles que desejam manter sua identidade estrangeira enquanto vivem na comunidade de Deus. O outro extremo é que qualquer pessoa, incluindo as mencionadas nos versículos 10-15, que deseja se tornar um israelita (rejeitar seus próprios deuses, sua própria herança e realizar uma cerimônia de circuncisão) pode fazê-lo livremente.

E, assim como na sociedade de hoje, naquela época havia tons de cinza entre esses dois extremos e isso determinava seu status preciso na comunidade israelita.

As cidades e vilas que se renderam quando o exército de Israel se aproximava deveriam ser poupadas. No entanto, eles se tornariam um vassalo para Israel no sentido de que (como estrangeiros residentes) eles poderiam ser forçados a trabalhar em nome de Israel e prestar homenagem a Israel.

Na verdade, esses eram termos normais e usuais de rendição a uma força mais poderosa naqueles dias, embora na maioria dos casos, encontremos esse comportamento inaceitável hoje.

E não visualize necessariamente gangues horríveis supervisionadas por um cruel capataz e pessoas famintas com olhos fundos, vestindo trapos e mal sobrevivendo quando você pensa nesses alienígenas residentes como “trabalho forçado”.

A Lei de Moisés faz um grande esforço para exigir tratamento humano dos escravos e dar direitos aos servos. E principalmente qu governo de Israel poderia chamá-los de tempos em tempos para trabalhar e eles não tinham escolha.

Sem dúvida, alguns dos que se renderam foram entregues a famílias individuais como servos, dependendo das circunstâncias.

O versículo 12 diz o que fazer se essa vila ou cidade se recusar a se render e decidir lutar contra o exército de Israel: essa cidade deve ser sitiada e, quando a cidade cair, todo homem residente será executado e todas as mulheres e Os “pequenos”, juntamente com o gado e todos os bens do povo, devem ser tomados como espólios de guerra. Bastante duro; mas está prestes a ficar ainda pior.

Vamos entender alguns pontos importantes; primeiro, quando se refere a todos os machos sendo executados, significa todos os machos adultos. Isso geralmente se refere a homens com 20 anos ou mais, embora nesse caso provavelmente inclua homens na adolescência, porque a maioria das sociedades do Oriente Médio recrutou homens para suas forças armadas aos 16 ou 17 anos de idade.

O termo “pequeninos” (que devem ser poupado) significa TODAS as crianças, homens e mulheres. Portanto, os hebreus não estavam sendo ordenados a exterminar crianças do sexo masculino.

Segundo, todas as cidades e vilarejos tinham outra opção que estava sempre aberta para eles: eles podiam simplesmente fazer as malas e partir antes que Israel os atacasse.

Em outras palavras, o povo de Canaã sabia muito bem o que Israel estava fazendo, e eles estavam cientes disso quando o exército de Israel estava chegando perto dnde moravam, e sabiam o que esperar quando eles chegassem.

Portanto, houve muito tempo para sair da Terra de Canaã e começar uma nova vida em outro lugar, com a única consequência sendo a perda de sua terra e provavelmente muita dor de cabeça e perturbação.

O principal interesse do Senhor estava em esvaziar a Terra (Sua terra reservada) de um povo iníquo que Ele queria, a fim de estabelecer ali o Reino de Deus.

Não há instruções para perseguir aqueles que não lutaram, mas simplesmente fugiram diante dos exércitos de Israel ou para matar aqueles que se renderam sem primeiro fazer guerra.

O versículo 15 deixa claro exatamente a que cidades e municípios esse tratamento específico que eu descrevi se refere: são aquelas cidades e citações que estão DISTANTES da terra que Deus está dando a Israel.

Portanto, em geral, isso NÃO lida com os locais dentro dos limites do que era entendido como Canaã, a terra da herança de Israel (a Terra Prometida). Essas vilas e cidades particulares ficavam fora da Terra de Canaã (na Trans-Jordânia, por exemplo) e, portanto, recebiam um conjunto diferente dpções do que para os habitantes de Canaã.

Por outro lado, as instruções bastante misericordiosas dos versículos 10-15 não estavam disponíveis para aqueles que Deuteronômio 20 discute a seguir. E estes são descritos como “as cidades desses povos”. Em um sentido geral, “esses povos” são todos cananeus.

Mais detalhadamente, há um grupo de sete nações que Deus deseja erradicar. Ao contrário do assunto dos versículos anteriores, esses cananeus não devem viver; nem machos, fêmeas, crianças, nem mesmo os animais que criam. É aqui que tudo começa a ficar pegajoso.

Existe um grupo de 7 nações qu Senhor diz serem tão más que Ele não quer que sejam expulsas, Ele quer que elas morram. Essas nações são os hititas, emoritas, cananeus, perrizitas, jebuseus, girgashitas e amorreus.

Observ que acabei de lhe contar, pois pode ficar confuso. O termo “cananeus” é ao mesmo tempo um nome geral para qualquer pessoa que vive na terra de Canaã, mas mais tecnicamente é uma tribo ou nação de descendentes diretos do neto de Noé, Canaã, de modo que, do ponto de vista genealógico e tribal, não estão necessariamente relacionados a outros.

Aqui está o problema com as sete nações que representam a maioria dos habitantes da Terra de Canaã: eles adoram deuses falsos, têm práticas abomináveis ​​e permanecem firmemente em oposição ao Eterno.

Além disso, eles representam um grave perigo espiritual para Israel, porque Israel certamente adotará algumas de suas práticas perversas, se essas pessoas pagãs puderem sobreviver e se misturar com as pessoas separadas de Deus.

Em outras palavras, essas várias tribos cananeus representariam uma influência tão ruim sobrs hebreus que era um requisito incondicional de Deus sobre Israel aniquilar essas pessoas, sem nenhuma piedade.

É interessante notar que NÃO era o sistema de crenças dos cananeus que era o verdadeiro problema; antes, eram as práticas rituais abomináveis ​​que Deus tanto detestava.

Que todas essas sete nações adoravam os corpos astronômicos como seus deuses e deusas não eram consideradas necessariamente fatais.Em vez disso, o problema era a perversão sexual, o sacrifício de crianças humanas, o consumo de sangue e todos os outros tipos de comportamentos qu Senhor não podia tolerar existir em qualquer lugar perto de Seu povo separado.

Como a Guerra Santa tinha que ser feita sobre essas sete nações que viviam na Terra de Canaã e sua destruição certa, Deus fez algumas outras regras para lidar com assuntos que naturalmentcorreriam no processo.

Uma regra dizia respeito a como tratar as árvores que cresciam fora dos muros de uma cidade cananéia murada.

A guerra de cerco era o método padrão para atacar cidades muradas naquela época. A ideia era qu exército invasor cercasse a cidade, cortasss suprimentos de comida e talvez a fonte de água e esperasse apenas que a fome e a desidratação fizessem seu trabalho aos habitantes.

Algumas cidades tinham recursos suficientes para construir as muralhas da cidade em torno de seu suprimento de água para protegê-lo e também para construir armazéns suficientes para ter um suprimento substancial de alimentos para os habitantes.

Portanto, a guerra de cerco poderia ser um processo MUITO longo que amarrou o exército atacante por meses. Para acelerar, foram desenvolvidos vários métodos de ataques às formidáveis ​​paredes de pedra.

Quando pensamos em um cerco, muitas vezes imaginamos os romanos e suas altas torres sobre rodas e suas catapultas e aríetes com coberturas protetoras e assim por diante; mas esse é um desenvolvimento muito posterior.

As guerras de cerco anteriores envolviam dispositivos tão simples quanto escadas para levar os soldados ao topo das muralhas.

Ou eles podem acender um fogo na base da parede, especialmente se a parede for feita de blocos de calcário, porque a umidade retida no interior do calcário se tornaria vapor por causa do calor do fogo e literalmente explodir a rocha, criando assim um caminho para os invasores entrarem.

Invariavelmente, um cerco envolvia o uso tático da madeira para fazer as escadas e acender o fogo.

O Senhor instrui Israel que eles NÃO devem usar árvores frutíferas para fazer instrumentos de cerco, porque essas árvores fornecem alimentos comestíveis e em breve serão muito valiosas para Israel assim qu inimigo for despachado.

Agora, Israel não era estúpida e eles entendiam bem o valor das árvores frutíferas. Então, por que Deus pensou que Ele tinha que lhes dizer para não destruir seus próprios recursos alimentares, evitando assim a destruição dessas árvores frutíferas?

Foi porque Israel estava operando sob a lei de Herem. Não se confunda: eu estou dizendo Herem NÃO harém. Herem se traduz  como:

Lei de Herem  : No Antigo Testamento encontramos os seguintes significados para “herem”: como promessa, aquilo qu ser humano consagra Deus. Esta oferta consagrada a Deus não pode ser comprada ou vendida, mas deverá ser entregue a Deus. O texto do livro de Levítico 27,28 nos diz: “Contudo nada do que alguém consagra a Iahweh, por anátema, pode ser vendido ou resgatado, quer seja homens, animais ou campos do seu patrimônio”.

Outro significado para “herem” é o de castigo, sobretudo aquele da idolatria, que poderia ser aplicado a indivíduos ou mesmo cidades inteiras. Vejamos em Ex 22,19 o termo anátema adquir sentido de castigo “Quem sacrificar a outros deuses será entregue ao anátema(maldito)” o termo é aplicado a cidades inteiras em Dt 13,13-19 “ deverás passar a fio de espada os habitantes daquela cidade. Tu a (cidade) sacrificarás como anátema, juntamente com tudo o que nela existe”.

Pensava-se qus homens bjetos contaminados pela idolatria tornavam-se uma fôrça perigosa e deveriam ser evitados, e pela execução se terminava com tais forças.

Um último significado para “herem” é dado como medida millitar. Esta consistia na consagração da presa e até do território para Deus com a finalidade dbter ajuda de Deus na conquista do inimigo.

Vejamos em Núm 21,1-3 “….Consagraram-nos ao anátema, eles e suas cidades”, ou mesmo Jos 6 “…A cidade será consagrada como anátema a Iahweh, com tudo o que existe.” Assim podemos entender o significado de anátema como uma regra de guerra santa, que está cumprindo uma ordem divina, ou um voto para garantir a vitória contra aqueles que se combate. O esquecimento de tal voto será punido severamente.

O objetivo para Israel, no entanto, é que, como se trata de uma Guerra Santa, e Deus é o Santo Comandante em Chefe de Israel, todos os despojos da Guerra Santa pertencem a Ele.

Ele decidirá o que deve ser feito com isso. Sua vontade, então é o único meio de deixar de lado esses itens, pois somente Deus é que pode torná-los indisponíveis para uso por mais alguém.

Visto que são reservados para o Senhor, esses itens são considerados santos e, portanto, ninguém pode participar do que é santo para Deus. Portanto, todas essas coisas foram destruídas porque pertenciam ao Eterno.

Agora podemos observar esse princípio e coçar a cabeça e ficar terrivelmente incomodado com ele. Mas essa é a lei de Deus. Não deixe que isso lhe preocupe demais porque você não gostou do quuviu hoje.

Tanto estudiosos cristãos como rabinos judeus consideraram essas leis e da Guerra Santa tão intolerantes, carentes de misericórdia, tão severas que pareciam conflitar com suas (e nossas) visões de arrependimento e com a esperança expressa de que algum dia todos voltem para o Senhor.

De fato, as doutrinas cristãs modernas e a Halachah judaica usaram a interpretação e a alegoria para modificar e suavizar esses comandos da Guerra Santa .

Eu tenho um amigo que muitas vezes me lembra que ele prefere não discutir assuntos do AT porque, mesmo sendo crente, o sangue derramado, a matança e a crueldade atribuída a Deus o deixam terrivelmente desconfortável.

Como muitos de meus amigos cristãos, o ÚNICO aspecto de Deus em que eles realmente querem pensar é o amor de Deus. Já afirmei muitas vezes que isso não é apenas perigoso, mas também cheira a idolatria quando pensamos dessa maneira, pois estamos moldando Deus à nossa imagem quando fazemos isso.

Deus tem múltiplos aspectos de Sua natureza e, quando mantemos o que gostamos e podamos o que não gostamos, estamos redefinindo o Deus Todo-Poderoso.

Como a justiça pode existir se não há limites e sem consequências por violá-los? Negar o julgamento e a ira de Deus como aspectos necessários de Sua natureza é negar Sua soberania sobre nós, que somos suas criaturas criadas.

Não podemos perder de vista que em um futuro muito próximo, a guerra mais horrível do mundo acontecerá à humanidade. É uma guerra que a maioria dos evangélicos afirmam estar ansiosos: a Guerra do Armagedom. Naquela guerra, todos os que reivindicaram Yeshua como Salvador sobreviverão e todos os outros serão destruídos.

Sem piedade. Sem exceções. No momento, os que não pertencem ao povo de D’us são identificados como Seus inimigos, mas, por Sua misericórdia, determinou que alguns deles se arrependerão e confiarão nele, de modo que ele retev julgamento final por um tempo.

Mas na Batalha do Armagedom esse tempo já terá passado. Não importa se milhões levantam as mãos para o céu e gritam: “Oh, estamos tão errados! Agora vejo o verdadeiro Messias em Sua glória, eu creio! ”Tarde demais.

Eles morrerão para a eterna separação de Deus que conhece a verdade.. Uma vez iniciada a Guerra Santa final, a lista daqueles que são definidos como inimigos de Deus é gravada em pedra e não será alterada.

A Batalha do Armagedon operará precisamente as regras da Guerra Santa, conforme delineado em Deuteronômio 20 e 21, porque, como a conquista de Canaã, a Batalha do Armageddon é uma Guerra Santa iniciada por Deus, liderada por Deus e será finalizada por Deus.

Nosso manso e suave pacifista Messias Yeshua será o nosso líder na aniquilação, não de milhões, mas de bilhões. Veja bem, assim como a lei de Herém deve ser cumprida por Israel em Canaã, também será executada por Yeshua e Seu exército de santos e anjos no Armagedom.

Os despojos desta guerra, as pessoas, os animais, tudo pertencem a Deus, o líder da guerra, e, para que ninguém possa utilizar esses despojos, eles devem ser destruídos. Portanto, assim como ordenado para essas sete nações de cananeus, assim será para todo o mundo dos rebeldes: aniquilação total.

Translate »