Parashá Re’eh (Veja)

Beit HaDerekh

Parashá Re’eh  (Veja)  ראה
Deuteronômio 11:26 á 16:17
Haftará: Isaias 54:11 á 55:5
Brit Hadashá: João 7:37-52

Reê é a 47ª porção da Torah, e a 4ª de Deuteronomio

Até agora, no capitulo de Deuteronômio, o sermão de Moisés cobriu os princípios gerais e fundamentais da Lei, em vez das ordenanças específicas.

Ele revisou a história de Israel, a eleição graciosa de Deus como Seu povo escolhido, o que aconteceu com eles no Deserto e como o Senhor cuidou deles, e qual deve ser a atitude deles sobre a proposta que lhes foi feita.

Ou seja, o Eterno fez a Israel uma oferta que Israel certamente poderia recusar. Ele sfereceu para ser o Deus deles e, por sua vez, eles serão o Seu povo. Ele sfereceu para estabelecer um relacionamento e união especiais e únicos com Israel, mas apenas se eles o desejarem.

E a maneira como eles devem mostrar a Deus que realmente querem é concordando com Ele corporativamente e seguindo bedecendo diligentemente seus termos.

O negócio é que, se eles aceitarem o pacto e entrarem em um relacionamento especial com o Eterno, então estarão sujeitos às suas bênçãos e maldições.

As bênçãos advêm de seguir os termos do pacto (seguindo suas leis) e as maldições vêm de violar os termos do pacto (violar suas leis).

Contudo, essas bênçãos e maldições se aplicam somente àqueles com quem Deus fez o convênio; não é para os outros.

O Sinai não coloca a Mesopotâmia pagã e gentia sob as maldições da Lei. Digo isso por duas razões:

  • porque é um equívoco pensar que aqueles que NÃO estão sob o convênio sofram as maldições da Lei e aqueles que estão sob o pacto recebem automaticamente as bênçãos da Lei . 
  • Digo isso por causa do Salmo 73:

 1 Verdadeiramente bom é Deus para com Israel, para com os limpos de coração.2 Quanto a mim, os meus pés quase resvalaram; pouco faltou para qus meus passos escorregassem.3 Pois eu tinha inveja dos soberbos, ao ver a prosperidade dos ímpios. 4 Porque eles não sofrem dores; são e robusto é o seu corpo. 5 Não se acham em tribulações como outra gente, nem são afligidos como os demais homens. 6 Pelo que a soberba lhes cing pescoço como um colar; a violência os cobre como um vestido.7 Os olhos deles estão inchados de gordura; trasbordam as fantasias do seu coração. 8 Motejam e falam maliciosamente; falam arrogantemente da opressão.9 Põem a sua boca contra os céus, e a sua língua percorre a terra. 10 Pelo qu povo volta para eles e não acha neles falta alguma. 11 E dizem: Como o sabe Deus? e: Há conhecimento no Altíssimo? 12 Eis que estes são ímpios; sempre em segurança, aumentam as suas riquezas. 13 Na verdade que em vão tenho purificado o meu coração e lavado as minhas mãos na inocência, 14 pois todo o dia tenho sido afligido, e castigado cada manhã.15 Se eu tivesse dito: Também falarei assim; eis que me teria havido traiçoeiramente para com a geração de teus filhos. 16 Quando me esforçava para compreender isto, achei que era tarefa difícil para mim, 17 até que entrei no santuário de Deus; então percebi o fim deles.

3)isso também ajuda a consolidar a razão pela qual Paulo se esforçou tanto (principalmente em sua carta aos Romanos) para explicar qus gentios são enxertados EM Israel quando crêem no Mashiach Yeshua.

Se vocês não foram enxertados nos convênios de Israel, não terão o direito de participar de seus termos. Mas os cristãos têm que se lembrar de que a aliança TEM termos.

E quando você receb Mashiach como o Senhor está aceitando TODOS os termos da Aliança, não apenas aqueles que você prefere.

Lembre-se, do capítulo de Jeremias 31, qu Senhor criará uma Nova Aliança MAS vamos lembrar com quem a aliança estava sendo criada :

Jeremias 31:31 “Eis que dias estão chegando”, diz o Senhor “, quando farei uma nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá,

Entr Senhor e a Casa de Judá e a Casa de Israel, haveria uma nova aliança; essencialmente entre as mesmas pessoas que a Aliança de Moisés foi estabelecida.

Portanto, a questão para os gentios é como obter acesso às maravilhosas provisões qus cristãos chamam de “A Nova Aliança” que pertence exclusivamente a Israel e a todos os que se uniriam a Israel.

E a resposta para essa questão é que a fé no Messias judeu, Yeshua de Nazaré, nos leva a única entrada permitida e necessária para ingressar no resgate fornecido pelos convênios de Israel.

Deuteronômio 11 1 Amarás, pois, ao Senhor teu Deus, e guardarás as suas ordenanças, os seus estatutos, os seus preceitos s seus mandamentos, por todos os dias.  

O versículo 1 do capítulo 11 começa com a regra básica básica para Israel, que também é a atitude com a qual Israel deve entrar no relacionamento de aliança com Deus: AME-O!

Observe que imediatamente ao dizer: “ame-O”, o que isso significa é explicado: semprbedeça a Suas leis, regras e mandamentos.

Agora, há uma mudança sutil, mas importante, na questão que está sendo tratada em Deuteronômio 11 versus o capítulo 10.

No capítulo 10, a questão é aceitação ou rejeição do relacionamento da aliança oferecido por Deus; No capítulo 11, a questão é que, uma vez qu pacto seja aceito, a próxima decisão para Israel (tanto corporativa quanto individualmente) é obediência ou desobediência aos termos do pacto e quais são as consequências para ambos.

Quero que essa diferença fique bem estampada em suas mentes.

Se você deseja comprar uma casa e encontra uma que goste, é estabelecido um contrato.

Você examina o contrato, vê quais são as disposições s termos exigidos pelo vendedor e decide se deseja ou não celebrar esse contrato.

Se você decidir “não”, não haverá nenhum ganho ou perda, exceto talvez um pouco de tempo. Você não tem obrigações e não há penalidades nesse ponto, porque nunca houve um acordo celebrado.

Essa é a situação com Israel até Deuteronômio, capítulo 10; o contrato (a Aliança Mosaica) com todos os seus termos (as bênçãos e as maldições) foi apresentado a Israel por Deus por meio de Moisés, e agora cabe a Israel firmar ou não o contrato proposto.

Se eles decidirem “não”, não haverá ganho, mas também não haverá penalidade independente do que tenham de conhecimento.

De volta à analogia da casa: se você decidir aceitar os termos do contrato da casa e assinar os papéis tudo muda. Se você seguir os termos, terá o prazer e a segurança daquela casa; mas se você violar os termos do contrato pode perder a casa e muitas vezes há penalidades duras.

É isso que Israel está fazendo no capítulo 11; presume-se que eles aceitaram os termos do Pacto Mosaico, firmaram um contrato com Deus, e agora o que está sendo contemplado é quais serão os resultados para o cumprimento do acordo, bem como as penalidades por violar seus termos.

Portanto, Moisés diz no versículo 8, se você deseja experimentar as bênçãos daquilo qu Senhor espera de você em Canaã, então obedeça aos mandamentos de Deus. A obediência era a chave para tudo o que havia pela frente para Israel.

 Portanto, aconselha Moisés nos versículos 18-21, emprega os vários lembretes visuais ordenados por Deus para permanecer fiel a Jeová. E entre esses lembretes estão os Tefilin, a Mezuzá, a presença do Sacerdócio e do Tabernáculo, constante ensino das leis de Deus para as crianças. E se Israel fizer isso, eles possuirão a terra para sempre.

Deuteronômio 11 : 18 Ponde, pois, estas minhas palavras no vosso coração e na vossa alma; atá-las-eis por sinal na vossa mão, e elas vos serão por frontais entrs vossos olhos;19 e ensiná-las-eis a vossos filhos, falando delas sentados em vossas casas e andando pelo caminho, ao deitar-vos e ao levantar-vos;20 e escrevê-las-eis nos umbrais de vossas casas, e nas vossas portas; 21 para que se multipliquem os vossos dias s dias de vossos filhos na terra qu Senhor, com juramento, prometeu dar a vossos pais, enquanto o céu cobrir a terra.

O primeiro passo de Israel para possuir a terra é que Canaã seja esvaziada de seus atuais residentes; Senhor diz que se Israel demonstrar amor a Deus na forma dbediência, o próprio Senhor expulsará os cananeus e possibilitará que Israel tenha sucesso.

Portanto, a promessa de vitória sobre Canaã é totalmente condicionada a Israel seguir os termos da Aliança Mosaica esses termos contidos são o que geralmente chamamos de Lei.  

Deuteronômio 11 : 24 Todo lugar que pisar a planta do vosso pé será vosso; o vosso termo se estenderá do deserto ao Líbano, e do rio, o rio Eufrates, até o mar ocidental.25 Ninguém vos poderá resistir; o Senhor vosso Deus porá o medo terror de vós sobre toda a terra que pisardes, assim como vos disse.  

A extensão das propriedades que Israel receberia está descrita no versículo 24 e somente durant tempo do rei Davi, Israel já possuía algo próximo a esse amplo território.

Mas como o acordo era condicional s hebreus começaram a violar os termos da aliança quase imediatamente após atravessar o rio Jordão, a penalidade (a maldição) foi que Deus não expulsou todos os povos qucupavam Canaã e, portanto, Israel nunca ganhou tudo o que foi reservado para eles.

Deuteronômio 11 : 26 Vede que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição: 27 A bênção, sbedecerdes aos mandamentos do Senhor vosso Deus, que eu hoje vos ordeno; 28 porém a maldição, se não obedecerdes aos mandamentos do Senhor vosso Deus, mas vos desviardes do caminho que eu hoje vos ordeno, para seguirdes outros deuses que nunca conhecestes

O que se entende aqui por maldição e bênção é qu convênio que eles aceitaram contém ambos e, portanto, Israel deve decidir respeitar o que eles concordaram ou experimentar a severidade de Deus.

Contudo, nos versículos 29-30, uma agenda diferente é discutida.

É que, uma vez que entrem na terra (com Josué na liderança), eles terão uma cerimônia que reafirma o Convênio Mosaico com o qual eles haviam concordado cerca de um ano depois de deixar o Egito.

Agora, no capítulo 27 de Deuteronômio, esse tópico é abordado com mais detalhes e, de fato, no livro de Josué 8:33-35, vemos que a cerimônia de reafirmação realmentcorre.

É interessante que esta será a terceira vez qu Pacto de Moisés foi ratificado.

A primeira vez foi no Monte Sinai, a segunda é a que abordamos nos últimos dois capítulos de Deuteronômio na terra de Moabe, e a terceira vez será depois que Israel entrar na Terra Prometida.

Acho que podemos tirar uma lição do capitulo 11: é que quando o Senhor nos oferece uma oportunidade de nos unirmos à Sua oferta de aliança, temos uma escolha; é uma oferta que podemos recusar.

O Senhor perguntou a Israel: “você quer ser o meu povo e eu ser o seu Deus? Se você aceitar isso, entrará na mimha aliança. Se você não quer o meu pacto, então rejeite-o e vá embora ”. Essa é a escolha que é colocada diante de todo homem a quem o Eterno se aproxima.

Do ponto de vista celestial e eterno, teria sido um grave erro recusar a oferta graciosa do Senhor; mas de um ponto de vista terreno limitado, eles não teriam se saído melhor ou pior do que qualquer outra nação ou povo.

É o mesmo para as pessoas hoje, quando nos é dada a oportunidade de se unir ao Pacto de Israel e ao Messias desse pacto, Yeshua.

Por nosso livre arbítrio podemos dizer sim ou não; o sim alterará para sempre nosso futuro eterno e, em alguns aspectos, nossas experiências terrenas.

Um não geralmente não nos condenará à pobreza, doença ou infelicidade durante nossas vidas, mas, ao contrário, nosso “não” nos excluirá de um relacionamento com o Senhor e principalmente das bênçãos ESPIRITUAIS que vêm dele durante nossa vida natural e nossa eternidade espiritual.

Mas há uma segunda parte no padrão do Pacto e é que a aceitação dos convênios do Senhor têm termos e condições.

Se um homem decide não entrar em um relacionamento de aliança com Deus, então os termos do pacto que Elfereceu não têm influência sobre esse homem porque ele não faz parte do povo do convênio.

No entanto, se alguém decide aceitar a oferta de um relacionamento de aliança com Deus, então quem o fizer realmente tem a obrigação dbedecer a todos os termos desse pacto. E assim como foi o caso na era de Moisés, assim permanece até hoje e até qu céu e a terra passem.

Bem, diz Moisés, aqui está quem é Deus, Ele não vai mudar amanhã, ou no dia seguinte, ou para sempre. E os crentes hoje, são os beneficiários de todo o Israel que sofreu enquanto tentavam assimilar os impressionantes e sobrenaturais caminhos do Senhor.

É por isso que Paulo diz que é dever dos crentes e uma DÍVIDA, retribuir o povo judeu de maneiras tangíveis por eles entregarem a Palavra, tanto em pedra quanto em carne, como foi transmitida a eles.

A Torá faz uma revisão sobre quais animais são permitidos para consumo, e quais não o são, seguida pelas leis do – o segundo “dízimo“, que é consumido por seus proprietários, na cidade de Jerusalém. Já falei sobre estes assuntos e não terei tempo para repeti-los hoje.

Mas uma coisa continua permanentemente proibida : Ingerir sangue.

Pois a “vida está no sangue” (uma doutrina cristã indiscutível) e, portanto, como toda a vida pertence a Deus, ele decidirá o que deve ser feito com ela. E uma coisa qu Senhor diz que nunca deve acontecer sob nenhuma circunstância (nem para um israelita, nem para um pagão, nem para qualquer humano, incluindo um crente no Messias Yeshua) é ingerir sangue como alimento.

O sangue é especial em nível espiritual. O sangue é divinamente separado. Não apenas estamos bem conscientes de que, no nível físico, qualquer criatura viva que é drenada de muito sangue morre (a vida que está no sangue flui da criatura), mas Deus escolheu atribuir ao sangue uma qualidade espiritual única que pode ser usado apenas como Ele julgar ser usado: para o propósito da expiação.

Os israelitas não tinham permissão para comer ou beber algo que simbolicamente representava sangue. Agora preste atenção a isso, por favor:

eu sempruvi cristãos dizerem qu vinho usado na cerimônia ritual judaica representa sangue e isso absolutamente não é verdade. Este é um mito que surgiu devido à frase bíblica comum que acabou sendo absorvida pelo mundo gentio que se referia ao suco de uva ou ao vinho como “o sangue da uva”.

Biblicamente falando, o vinho simboliza bondade e alegria. Uma abundância de vinho é simbólica da prosperidade. Oferecer vinho a um hóspede na casa de alguém representava um espírito de boas-vindas, shalom e boa vontade.

Mas o vinho NÃO representa sangue. Nenhum hebreu observador jamais contemplaria beber vinho se fosse simbólico de algo que é proibido ingerir: sangue.

1300 anos depois de Moisés e da Lei do Monte Sinai, alguém instruiu Seu rebanho a beber vinho como símbolo de Seu sangue e fazer isso como A maior lembrança memorial Dele!

Seu nome é Yeshua, aconteceu na Páscoa, e a Igreja transformou essa cerimônia em um sacramento chamado Comunhão.

Vamos relembrar as instruções reais no NT de beber vinho como símbolo do sangue do Messias:

 1 Coríntios 11:25 25 Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo pacto no meu sangue; fazei isto, todas as vezes qu beberdes, em memória de mim. 26 Porque todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes do cálice estareis anunciando a morte do Senhor, até que ele venha.

Jesus instruiu Seus discípulos a beber simbolicamente sangue … Seu sangue. Por quê? Porque, como já foi estabelecido, a vida física está no sangue físico; mas a vida eterna (vida espiritual sem fim) está no sangue do Messias.

Ao beber vinho que representa Seu sangue, reconhecemos que a qualidade expiatória de Seu sangue é a ÚNICA provisão que Nosso Pai já fez que dá ao homem o mesmo tipo de vida eterna que Ele tem.

Entenda que este vinho bebido em nome do Messias é totalmente simbólico; seu copo de comunhão de vinho de uva NÃO se transforma magicamente em sangue (embora a Igreja Católica diga que sim). Esse mandamento de Cristo de tornar o vinho simbólico de Seu sangue e, portanto, de beber é único em toda a Bíblia.

Pela primeira vez na história da humanidade, ingerir algo que até simbolizava sangue estava sendo permitido e encorajado por Deus. E você e eu podemos apenas imaginar os 12 discípulos assustados sentados ao redor daquela mesa de Pessach, quando Jesus lhes disse para fazer isso.

Tudo que esses homens judeus haviam sido ensinados; todos os princípios culturais e religiosos que eles conheciam diziam para NÃO fazer isso. Você também pode imaginar como os judeus locais reagiram quando souberam que Ele estava ensinando seus discípulos a beber vinho como símbolo do sangue de um homem? Isso foi apostasia em um nível quase inimaginável para eles.

Isso ajuda você a entender por que um judeu religioso é totalmente repugnado pela tradição cristã da Comunhão? Para eles, é uma combinação de canibalismo, idolatria e violação da lei universal contra o sangue.

Algum tempo depois (na verdade, vários anos) depois dessa instrução incompreensível de Yeshua, Paulo pensou muito sobr significado de tudo isso.

A conclusão dele NÃO era que Jesus havia dado ao homem permissão para beber sangue; nem o homem podia agora simbolizar o vinho como sangue e bebê-lo em várias cerimônias religiosas.

Antes, o ÚNICO tempo e propósito permitidos pelos quais um homem podia beber algo simbólico de sangue era quando era um crente no Messias bebendo um pequeno copo de vinho em lembrança solene e sincera de Seu ato expiatório.

Se um homem fez isso por qualquer outro motivo, honrando qualquer outro homem ou por qualquer outro propósito que não fosse lembrar do Messias Yeshua e assim declarar nossa união e vida eterna nele, então voltaremos à estaca zero na qual uma pessoa estava quebrando A ordem de Deus para nunca beber sangue.

Paulo expressou assim:

1 Coríntios 11:27 27 De modo que qualquer que comer do pão, ou beber do cálice do Senhor indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor.

Uma pessoa que  bebe de maneira indigna não pertence ao Senhor. Se não estamos em união com Yeshua, não somos dignos e não temos autoridade para participar dessa enorme exceção à regra de não beber sangue, nem mesmo simbolicamente. Estaremos pecando no nível mais alto possível e seremos declarados culpados por Deus por fazer isso.

Mas observe que esse mesmo princípio de Deus opera nos dias de Moisés como agora: não há nada inerentemente santo no vinho. É qu Senhor DECLARA isso como símbolo da santidade e da vida eterna  QUANDO a bebemos em homenagem ao sacrifício de nosso Salvador.

Não há nada mágico no vinho quando bebemos em homenagem a Yeshua; é apenas significativo para aqueles que já redimiram porque Deus simplesment declara.

Deus proibiu Adão e Eva de comerem os frutos da Árvore da vida que cresceram no Jardim do Éden. Por quê? Porque se eles comessem daquela árvore, obteriam a vida eterna.

O que teria de errado com eles obterem a vida eterna, pois é evidente que Deus QUER que as pessoas tenham vida eterna com Ele? De fato, Ele se esforçou ao máximo para tornar possível a vida eterna com ele.

O problema é que Adão e Eva não foram redimidos. Deus primeiro estabeleceu o princípio da redenção não com Moisés Sacerdócio, mas com Adão e Eva. A vida eterna é algo qu Senhor QUER para a humanidade, mas SEMPRE será restrita àqueles que são redimidos de acordo com a definição método de redenção do Senhor.

Assim, como Paulo explicou qus indignos não podiam beber do cálice da Comunhão, a idéia se volta à Árvore da Vida, porque Yeshua é a Árvore da Vida espiritual. O Messias É a Árvore da Vida.

Yeshua, nosso Messias, é o meio, o ÚNICO meio, para a vida eterna para os seres humanos. Portanto, nenhum homem pode comer desta nova árvore da vida, Yeshua, ou “beber do seu sangue”, como simbolizado no consumo de vinho pascal, a menos qu homem seja primeiro redimido.

Comer o fruto da Árvore da Vida simbolizava exatamente a mesma coisa que beber o vinho que é simbólico da Aliança no sangue de Cristo. Quando recebemos Yeshua como Senhor, comemos o fruto da Árvore da Vida que Adam e  Havah não podiam.

O capítulo 12 tratou da ordem do Senhor de Israel de arrancar e destruir todo vestígio das religiões dos cananeus que estavam presentes na Terra da Promessa.

Israel não deveria fazer concessões nem aceitar tratados que permitissem aos cananeus residentes continuarem com a adoração de seus falsos deuses. Por quê?

Porque primeiro, essas práticas eram abomináveis ​​para o Eterno; e segundo, porque tais observâncias eram perigosas para Israel, porqus israelitas podiam tornar-se atraídos pelas celebrações pagãs.

O perigo era tão grande que se Israel fizesse uma coisa dessas envolveria severa retribuição de Deus, chegando ao ponto de terminar em permanente separação DELE para alguns indivíduos.

Portanto, o capítulo 13 é a extensão natural do capítulo 12, porque declara o que acontecerá a qualquer pessoa que tentar restabelecer a adoração a vários deuses.

Os Sábios Hebraicos apontam qu conceito do Senhor estabelecendo limites em torno do que um hebreu pode comer como alimento começa em Gênesis 2, quando é dito a Adão e Eva que eles podem comer o fruto de tudo no Jardim do Éden sem restrição, EXCETO o fruto do Árvore do conhecimento do bem e do mal.

Gostaria de salientar um princípio aqui revelado que vale a pena revisar;  até qu Eterno instruisse Adão e Eva a não comerem daquela árvore, NÃO EXISTIA regras estabelecidas por Deus.

Quando Adão e Eva foram criados, nenhuma lei moral ou lei civil ou regra de qualquer tipo existia para eles. É instrutivo para nós que a primeira lei que Deus ordenou para eles e para o mundo, dizia respeito a comida.

O que isso significa em nosso vocabulário moderno é que, até o momento em que Eterno disse para não comer aquele fruto daquela árvore, pecar era totalmente impossível para o primeiro casal.

Sem uma lei de Deus para quebrar… E quebrar uma lei de Deus é a definição de pecar… Como eles poderiam cometer um pecado? Resposta: eles não podiam.

Mas uma vez qu Senhor deu a ordem a Adão e Eva restringindo o consumo de frutas da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal desobedecê-la tornou-se pecado,

Por quê? Porque finalmente havia uma regra a ser quebrada. Adão e Eva tinham essencialmente uma Torá que continha apenas uma lei. E adivinhem, eles mal podiam esperar para violá-la.

Estou convencido de que, até que a lei foi estabelecida, Adão e Eva não faziam ideia de que havia certo e errado, bom e mau, obediência a Deus e ao pecado.

Os conceitos de mal, errado e pecado não têm significado e não têm sentido, a menos que seja traçada uma linha entre algo que é aceitável para Eterno e algo que não é.

Todos nascemos com duas inclinações em nossas almas: a boa inclinação e a má inclinação; a propensão a fazer o bem e a propensão a fazer o mal. Essas duas inclinações são o que formam a nossa vontade.

Adão e Eva foram criados com a boa e má inclinação, assim como nós. Se eles não fossem formados com essas duas inclinações, não teriam escolhas. Eles teriam sido como robôs. Qual é o propósito da vontade?

A vontade é aquele componente de um humano que faz escolhas morais. O que é uma escolha moral? Moral é definido na Bíblia como significando algo que está alinhado com o caráter e a vontade de Deus; portanto, uma escolha moral é a que escolhemos alinhar nossas decisões a favor ou contra a vontade de Deus.

Quando fazemos uma escolha moral que está de acordo com a vontade de Deus, isso é chamado obediência. Quando fazemos uma escolha moral para ir contra a vontade de Deus, isso se chama pecado.

Portanto, embora Adão e Eva tenham sido criados sem pecado, eles foram criados com a capacidade de fazer uma escolha moral.

Mas até que Deus anunciou que eles não deviam comer daquela única árvore, eles não tinham escolhas morais a fazer. Portanto, pecar era uma impossibilidade prática para eles.

Uma vontade é completamente inoperável sem nenhuma escolha moral a ser feita. As leis de Deus estabelecem essas escolhas morais.

Mas, além das escolhas morais, a humanidade tem uma segunda categoria de escolhas: preferências. Preferências são coisas como preferir vermelho ao amarelo; maçãs ou bananas; manga curta ou comprida.

Preferências são coisas que nos permitem liberdades nas quais o bem mal não estão envolvidos e, portanto, a obediência versus o pecado não existem. A função da vontade humana não é fazer preferências; a vontade humana é aquela parte de nós que faz escolhas morais.

Existem dois domínios de escolha para a humanidade: escolha moral e preferência. Deus dividiu esses dois reinos.

No campo da escolha moral o Senhor estabeleceu parâmetros e limites detalhados na Torá. Dentro da Torá existem leis e mandamentos que detalham esses parâmetros e limites.

Geralmente eles estão na forma de fazer e não fazer o que D’us ordena: é ond bem mal, o certo errado são definidos e estabelecidos para nós, para que não tenhamos que adivinhar. É aqui que a soberania de Deus reina e é intocável e inalterável.

A Bíblia geralmente não lida com preferências além de deixar claro que as escolhas FORA das escolhas morais caem no campo das preferências.

Nunca devemos pensar que: Não existem regras e leis para o povo de D’us e que, portanto, tudo para nós é simplesmente preferência. Isso é simplesmente um erro bíblico.

Aqui está o problema: o que a humanidade está fazendo a um ritmo sem precedentes hoje é tentar remover itens do domínio da escolha moral e,

Colocá-los no domínio da preferência.

Lembre-se, o domínio da escolha moral é governado pela vontade de Deus, Suas leis e mandamentos; o domínio da preferência foi dado ao homem para escolher; coisas para as quais nenhuma lei divina foi criada e, portanto, certo e errado não entram em jogo.

A título de exemplo: o comando explícito de Deus contra a homossexualidade está sendo movido na sociedadcidental do domínio de uma escolha moral para o domínio da preferência. Estamos movendo-o do reino da moralidade, do certo e do errado, do bem e do mal, para o reino da preferência humana, ond certo errado não têm problema.

Essa falta não é apenas perigosa, é uma rebelião contra o Senhor no mais alto nível. Que autoridad homem tem para dizer a Deus que, por meio deste, decidimos fazer aquilo que Ele declara ser uma escolha moral e, em vez disso, rebaixá-la para uma preferência humana?

Como ousamos dizer que Sua definição de bem e mal não se aplica mais a tantas coisas em nossas vidas que Ele diz que sim? Esse movimento de escolhas do reino da moralidade de Deus para o reino de preferência do homem está no centro da rebelião do homem contra Ele.

O dia em que a igreja declarou que não há LEI é o dia em que abolimos prematurament domínio da escolha moral e transferimos toda a escolha para o domínio da preferência, ou seja, NOSSA preferência.

O dia em qu cristianismo acreditou na mentira e disse que Jesus veio abolir a Lei (essencialmente abolindo a base da escolha moral) é o dia em que a igreja declarou total liberdade da escolha moral. E isso nos levou pelo caminho do jardim a um lugar de relatividade moral, decadência, tolerância ao pecado e confusão.

A salvação é para nos salvar das consequências de violar a lei divina. E quutra definição de pecado existe senão a violação das leis e mandamentos de Deus?

Além disso, se Jesus veio abolir a Lei, então por que precisaríamos ser salvos de nossos pecados, pois SOMENTE COM A LEI pode haver pecado?

Com a Lei há pecado, sem a Lei não pode haver pecado, pois não há nada a violar, certo? Se a presença de Yeshua aboliu a Lei, não havia absolutamente necessidade de Ele ir à cruz, porque não haveria pecados necessários para Ele expiar.

Este princípio que estou afirmando a você é totalmente validado por ninguém menos que Paulo, e foi uma das declarações mais enigmáticas e difíceis de suas muitas declarações difíceis.

Romanos 4:13-15 Porque não foi pela lei que veio a Abraão, ou à sua descendência, a promessa de que havia de ser herdeiro do mundo, mas pela justiça da fé.14 Pois, ss que são da lei são herdeiros, logo a fé é vã e a promessa é anulada. 15 Porque a lei opera a ira; mas onde não há lei também não há transgressão..

A primeira metade desta afirmação é bem compreendida e eu concordo com o significado: é que ninguém é salvo por meio da lei; antes, a salvação vem por meio da fé no Messias. A lei nunca foi um documento destinado a salvar alguém. Esse nunca foi o seu propósito.

Ao longo dos anos, ouvi alguns dos sermões mais imaginativos (para ser educado) na segunda metade da declaração de Paulo que diz: “Pois a lei causa ira, mas onde não há lei, não há violação”. Juntamente com alguns outros versículos dutras cartas de Paulo, essa é uma das passagens principais que muitos pastores cristãos têm usado para argumentar que:

  1. a) a lei é inerentemente ruim e

(b), portanto, com o advento de Jesus Cristo, a lei é abolida e não existe nenhuma lei para o cristão seguir. Isso não é de forma alguma o que Paulo está nos dizendo; antes, é qu princípio que acabei de abordar com você pelo qual a ÚNICA maneira do pecado (violação da Lei) deixa de existir é quando as leis de Deus deixarem de existir.

Mesmo se houver apenas uma lei, haverá violação (assim como Adão e Eva demonstraram violando sua única lei … não comam essa fruta!).

Independentemente da posição de alguém sobre a lei mosaica, os cristãos tem regras e limites estabelecidos por Deus. Estão livres para matar? Estão livres para mentir, roubar, enganar e cometer adultério?

Até os crentes mais imaturos sabem que quando atravessam esses limites e violam essas regras de Deus, pecam contra o Senhor. Talvez a melhor pergunta seja: quando isso vai parar?

Bem, eu tenho boas notícias, a Bíblia responde a essa pergunta de quando o pecado deixa de ser um problema. A resposta a essa pergunta também está contida na declaração definitiva de Yeshua em:

Mateus 5: 17-19, 17 Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir.18 Porque em verdade vos digo que, até qu céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido. 19 Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, qus cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus.

Esta afirmação sobr céu e terra passando é literal e é a chave.

Quando o céu e a terra existentes desaparecerem (como nos disseram que será), e quando o mundo for renovado completamente no final do reinado de 1000 anos do Messias, as condições serão semelhantes ao estado da Criação.

APÓS Adão e Eva terem sido criados, mas ANTES de Adão e Eva receberem sua primeira regra… Não comam frutos da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal.

Então agora nós sabemos que somente quando o NOVO Céu e a Nova Terra forem criados, a Torá e suas leis deixarão de existir. Exatamente como Yeshua disse. Somente então não haverá leis e, portanto, não haverá escolhas morais e, portanto, nenhuma possibilidade de pecado.

Deixe-me terminar hoje com este pensamento para a Igreja, simplesmente reduzindo tudo o qu Senhor espera de nós à palavra “AMOR”.

Temos várias denominações endossando a homossexualidade, o casamento gay, o aborto e a poligamia, ao mesmo tempo em que deseja proibir a execução de assassinos, perdoar crimes sexuais contra crianças e declarar que qualquer deus que é adorado é realmente apenas Jesus.

Por quê? Porque a suposta “lei do amor” invalida efetivamente todos os outros mandamentos do Senhor. Não podemos ser contra a homossexualidade porque isso não é amoroso.

Não podemos impedir que dois homens se casem porque se amam e, é claro, Deus ama o amor.

Não podemos executar um assassino porque, em vez disso, deveríamos amá-lo e nenhum deus amoroso jamais levaria uma vida humana como retribuição.

E não podemos ficar com Israel, e necessariamente contra seu inimigo, os palestinos, porque isso é parcial e, portanto, não é amoroso.

Como a igreja poderia ter ido tão longe? Como os crentes poderiam ter pensamentos tão estranhos? Assim como Jefté, muito do cristianismo misturou os caminhos da filosofia e do intelectualismo grego e de várias tradições culturais com os caminhos do Senhor, na esperança de se dar bem com o mundo.

E à medida que a sociedade e a igreja crescem cada vez mais aceitando essas coisas, todos nós ficamos entorpecidos com elas e elas se tornam o novo normal, por isso declaramos a nós mesmos que essas coisas devem ser boas porque parecem tão confortáveis ​​para nós.

Fazer o contrário nos faria cruzar com muitos de nossos amigos, alguns de nossa família e, às vezes, com nossa própria igreja ou sinagoga. Afinal, quem quer ser rotulado como pertencente a uma seita, ou como herege, ou com um ódio intolerante e fundamentalista?

Bem, essa é a escolha qu Eterno estabelece para Israel: obedeça a todos os meus mandamentos, independentemente das consequências sociais, para que eu possa abençoá-lo; OU, cometam idolatria adotando alguns dos caminhos do mundo e, assim, pervertendo a verdadeira adoração ao Deus verdadeiro, a fim de se misturar com seus vizinhos e ter uma forma de paz.

Os cristãos ao aceitarem o Messias judeu, cuja autoridade repousa sobrs convênios bíblicos entre Deus e Israel, não podem deixar de lado as leis s princípios de Deus conforme vossa conveniência e capricho.

Não podem contar com amor e misericórdia como o solvente humanístico universal que dissolvs mandamentos específicos do Senhor de não misturar nossa adoração a Ele com práticas de adoração pagã.

O fato de algumas congregações estarem agora declarando essencialmente que não há diferença entre Eterno e Allah quebra o mandamento de não adorar outros deuses.

Definitivamente, devemos lutar por justiça social, da qual fazemos muito pouco; mas nunca devemos fazer isso no contexto das filosofias dos homens e do relativismo humano. Os valores e princípios qu Senhor nos deu são melhores qus do mundo, mesmo qu mundo não pense assim.

Translate »