Parasha Pinchas (Fineas)

Beit HaDerekh

Parasha Pinchas (Fineas)
Números  (Bemidbar-No Deserto)  25:10-29:40

1 Rs. 18:46-19:21, Lc 23:1-24:53

Contexto Pinechas

Balaão arma um plano e Balac executa. Faz uma feira e traz as mulheres midianitas para seduzirem os homens de Israel. E os levam a adorar Baal Peor (Deus da Fertilidade) e a ira de D’us se acende.

Por que Números, e depois Deuteronômio, tendem a repetir muito do que já havia sido dado a Israel (e a nós) no livro de Êxodo? Parece que nunca aprendemos com a história.

Diz-se que um homem sábio aprende com seus erros, mas um homem muito sábio aprende também com os erros dos outros além dos seus próprios.

Como eles se contaminaram?

Nm 25:2
2 pois elas convidaram o povo aos sacrifícios dos seus deuses; povo comeu, e inclinou-se aos seus deuses.   

O objetivo imediato seria levar Israel a adorar os deuses de Moabe, porque esse era um sinal culturalmente típico de respeito. O que está acontecendo lá é um festival para Baal.

Portanto, temos duas grandes violações dos mandamentos de D’us em jogo: Israel cobiçava outros deuses além do Eterno, e eles estavam cometendo fornicação (e, em alguns casos, adultério) e isso com mulheres estrangeiras. Isso tudo poderia ser agrupado na categoria de idolatria.

As ações do povo de Israel, interagindo com os moabitas, a princípio pareceriam bem-vindas e naturais. Era pacífico, respeitoso e de vizinho para vizinho.

No entanto, nas Escrituras, os seguidores de Deus NUNCA são ensinados a mostrar respeito pelos falsos deuses dutras culturas, nem mesmo como um meio para a coexistência pacífica.

Invariavelmente, o respeito e a tolerância dos caminhos pagãos se voltam para a adoção de alguns desses caminhos que são abominação ao Deus Todo-Poderoso.

Deus chama de prostituição porque para ele a idolatria praticada por Seu povo separado é infidelidade. A prostituição não significa necessariamente qus homens israelitas estavam indo atrás de prostitutas moabitas (embora alguns o fizessem), ao contrário, significa que por ter relações cada vez mais estreitas com um povo estrangeiro cuja cultura era toda sobre honrar outros deuses os homens de Israel estavam sendo automaticamente infieis ao Eterno.

A reação de Deus a esses tipos de esforço humanos e do uso indevido de Seus mandamentos está descrita em Números 25: 3: “3Porquanto Israel se juntou a Baal-Peor, a ira do Senhor acendeu-se contra ele.

Esses atos eram e ainda são, considerados “arrogantes”, e assim a punição será proporcional ao crime que está acontecendo é visto como rebelião contra D’us.

Todo o Israel é considerado responsável por essa apostasia. A resposta do Senhor é rápida e severa: elrdena qus chefes do povo sejam punidos primeiro.

 והוקעאוֹתָם ליהוה,נֶגֶד הַשֶּׁמֶשׁוְיֵשֵׁב חרוןאַף-יְהַוֶּה,מִיִּשְׂרָאֵל. and cast them into the LORD, against the sun; And the anger of the LORD withdraw if from Israel.

Lançai-os no Senhor contra o Sol e a perfuração próximo ao órgão sexual

A execução dos líderes além de ser uma punição pela idolatria nacional, é uma questão de expiação por Israel , como é declarado no final do verso. 4 quando diz que esses homens devem morrer a fim de que “a ira do Senhor se desvie de Israel”.

Este é um princípio que a Igreja moderna fez tudo o que pode para negar. Já ouvi até dizer qu Deus do Novo Testamento nem sequer nos pune mais.

De forma alguma estamos imunes à disciplina do Senhor quem pensa assim está perigosamente longe das Escrituras.
Encontramos o princípio do pecado arbitrário em Levítico; e a única expiação por esse pecado é o sangue da pessoa qu cometeu. Em outras palavras, há um tipo de pecado pelo qual D’us não aceitará o sangue de um animal como substituto pela morte do pecador.

Quando ouvimos a frase “seu sangue é sobre sua própria cabeça”, é isso que significa: nenhuma substituição é permitida.

O que ainda não foi dito, porém, é que agora havia uma praga entrs israelitas quando D’us derramou Sua ira sobre a nação de Israel por sua rebelião. Então a ideia é que as mortes desses líderes satisfizessem a justiça de Deus, e a praga terminaria antes que muitos israelitas morressem.

No meio de tudo isso, enquanto as pessoas estavam morrendo aos milhares resto estava festejando com os pagãos, um certo homem hebreu trouxe uma mulher midianita para o acampamento e apresentou-a ao seu parente.

Nm25: 6
6 E eis que veio um homem dos filhos de Israel, e trouxe a seus irmãos uma midianita à vista de Moisés e à vista de toda a congregação dos filhos de Israel, enquanto estavam chorando à porta da tenda da revelação.  

 Este israelita trouxe uma estrangeira para o acampamento e descaradamente andou com ela na frente de Moisés, que estava na entrada do Tabernáculo . Isto demonstra o estado de espírito pervertido ao qual Israel sucumbiu.

Em vista da afronta de Zimri, o que Moises e Aarão fizeram? Nada.

Pinchas, o neto de Aaron, mata Zimri príncipe da tribo de Simeão e Cosbi princesa midianita enquanto estavam envolvidos em um ato sexual.

A reação zelosa de Pinchas salva o povo judeu de uma peste que havia irrompido no campo. Imediatamente a praga cessa após Pichas matar os 2.

Curiosamente, foi esse ato que parou a peste; mas não antes de 24.000 pessoas terem morrido com isso. Alguns de nós têm um pouco de dificuldade com este sacerdote tomando a lei em suas próprias mãos e matando este casal.

Números 25
10 Então diss Senhor a Moisés: 11 Finéias, filho de Eleazar, filho do sacerdote Arão, desviou a minha ira de sobrs filhos de Israel, pois foi zeloso com o meu zelo no meio deles, de modo que no meu zelo não consumi os filhos de Israel. 12 Portanto dize: Eis que lhe dou o meu pacto de paz, 13 e será para ele e para a sua descendência depois dele, o pacto de um sacerdócio perpétuo; porquanto foi zeloso pelo seu Deus, e fez expiação pelos filhos de Israel. 

O nome  Pinchas: פִּינְחָס compartilha o mesmo valor numérico (gematria), do nome de Isaque (ie, Yitzchak: יִצְחָק), o que sugere que, assim como Isaque estava disposto a ser sacrificado em obediência a D-us, assim então Pinchas estava disposto a morrer por seu zelo. Note ainda qu zelo de Pinchas ‘transformou a ira de D-us em benção e D-us estabeleceu uma aliança de um ‘sacerdócio eterno’   De acordo com  Gênesis, Sarah concebeu Isaac aos 90 anos e morreu aos 127 anos, pouco antes de Abraão chegar com Isaac da viagem para oferece-lo em sacrifício, desse modo, Isaac tinha 37 anos de idade quando foi levado pelo seu pai Abraão ao monte Moriá.

No versículo 10, Pinchas é honrado pelo Eterno por tirar a vida desses dois rebeldes (um hebreu e uma estrangeira). O Senhor declara qu que Pinechas fez não foi apenas NÃO cometer um assassinato, mas foi este ato de expiação necessário que impediu o Eterno de exterminar Israel por seu pecado.

D’us então passou a declarar que, como recompensa por sua ação decisiva, Pinchas seria o clã dos levitas que seriam os sacerdotes.

Pinchas era filho de Eleazar, e Eleazar era filho de Arão. Arão estava morto e Eleazar era agora o Sumo Sacerdote. Então, um dos filhos de Eleazar, naturalmente, se tornaria o próximo Sumo Sacerdote. O Senhor acabou de decidir que seria: Pinchas.

A geração que entraria na Terra Prometida acabara de receber uma lição sobre a bondade e a severidade de Deus; Sua severidade para destruir aqueles que casualmente e insensivelmente se rebelam contra Ele, e Sua bondade em fornecer um meio de expiação para aqueles que ainda não morreram de Sua ira.

Fazendo mais uma alusão, Yitzchak e Pinchas, ambos imagem Yeshua. Isaque é um retrato do Cordeiro de D’us, e Pinchas retrata o zelo que molda o coração para um sacerdócio eterno a D-us.

Na gematria podemos notar então a revelação qu sacerdócio do Messias que traz a Paz Eterna é o ‘fim dos dias’ (אחרית הימים) e sacerdócio (כהונה) eterno para a humanidade, e não há nenhum outro, além deste.

Assim como Pinchas foi “enxertado” no sacerdócio de Israel, aqueles que pertencem ao Messias, (קהילה), são “enxertados” no sacerdócio no fim dos dias

‘Sacerdócio eterno’ (קהילה), tem o mesmo valor numérico da palavra be’acharit (בְּאַחֲרִית), que significa o ‘Fim dos Dias ’ (Gênesis 49:1, 1 João 2:18).

O capítulo termina pelo Senhor declarando guerra aos midianitas, um povo que seduziu os hebreus levando-os a adorar outros deuses e a praticar atividades sexuais ilegais.

A guerra vindoura contra Midiã (e com seu aliado Moabe) significava que seria necessário um censo em Israel; como sempre foi feito antes de começar uma guerra ou conquista.

Um censo alertaria os homens para se armarem e dar ao líder uma contagem de suas tropas. É com isso qu Nm 26 vai se preocupar.

O primeiro censo dos primeiros dois capítulos de Números foi da primeira geração do Êxodo . O censo que consta no capítulo 26, é da segunda geração, a nova geração de Israel.

E este censo é para dois propósitos principais: determinar quantos soldados cada tribo reuniria e determinar a quantidade de território que cada tribo receberia quando Canaã fosse dividida entre as tribos de Israel.

A seção final de Números 26 lida com o censo inteiramente separado dos levitas, e seus clãs são listados. Eles são listados como distintos porque

1), o Senhor os vê como não sendo mais parte de Israel, e

2) como tais, eles não tinham direito à terra; o próprio Senhor era a porção deles. Os levitas deviam ser financiados e apoiados pelas 12 tribos (se você considerasse Levi como uma tribo de Israel, haveria 13 tribos), e assim suas necessidades além do que seria provido eram vistas como pequenas.

Em vez disso, os levitas receberam 48 cidades espalhadas pelos territórios das 12 tribos.

Em Gênesis 49, estudamos as bênçãos proféticas de Jacó, a cada um de seus filhos. Simeão e Levi foram os ÚNICOS filhos agrupados e receberam uma única bênção de Jacó, e era mais uma maldição do que uma bênção. Deixe-me lembrar disso para você. 

Gênesis 49: 5 “Simeão e Levi são irmãos; suas espadas são instrumentos de violência. 6” Deixe a minha alma não entrar em seu conselho; Não seja minha glória unida à sua assembléia; Porque na sua ira mataram homens, e na sua própria vontade lamentaram os bois. 7 Maldito seja a sua ira, porque é ferozes, e a sua ira, porque é cruel. Vou dispersá-los em Jacó e dispersá-los em Israel.

Uma contabilidade detalhada do censo foi registrada, em que descobrimos que a estrutura geral de Israel mudou um pouco. Algumas tribos cresceram em população, outras diminuíram.

Uma tribo, Simeão, estava com menos da metade do tamanho de quando saíram do Egito. E isso foi pelo menos em parte devido ao cumprimento da maldição qu pai de Simeão, Jacob, colocou em Simeon e Levi em seu pronunciamento no leito de morte.

O capítulo termina com a lembrança de que todos os que restaram dos homens que tinham menos de 20 anos quando Israel saiu do Egito eram Josué e Calebe; 600.000 homens morreram durante esses 40 anos no deserto.

Capitulo 27
E a primeira coisa que encontramos é um caso em que uma família liderada por um homem chamado Zelofeade, agora falecido, tem um problema; e esse problema é que Zelofeade não deixou filhos para herdar.

Suas filhas foram a Moisés e perguntaram por que seria tão errado ELAS herdarem a riqueza de seu pai, mesmo que não fossem homens. Seu raciocínio é indicado nos versos 3 e 4; e em poucas palavras é que:

  1. a) seu pai NÃO participou da grande apostasia de Coré (quando um fogo saiu do Tabernáculo e queimou muitos homens rebeldes, e um terremoto abriu uma fenda que engoliu milhares de pessoas. … famílias dos rebeldes); e
  2. b) seu pai havia morrido sob a mesma maldição que todas as outras pessoas que deixaram o Egito tinham (elas falharam em confiar no Senhor e saíram para a Terra Prometida).

Além disso, visto que todas as outras famílias cujos homens tinham cometido o mesmo pecado não estavam sendo negados os direitos à terra de Canaã, por que a família de seu pai deveria ter a terra negada apenas porque ele não tinha filhos para herdar sua porção?

Moisés ouv apelo dessas mulheres e diz que levará o caso perant Senhor. Slharmos de perto, depois do monte Sinai este tipo de método de ter mais leis adicionadas tornou-se normal.

E o mesmo conceito é usado até hoje em nosso sistema legal ; é chamado de precedente. Uma situação surgiria (sem precedente prévio) e seria levada a Moisés, o juiz, para decidir.

Ele então levaria para o Senhor que decidiria o assunto. Moisés informaria as partes da decisão do Eterno e então o assunto torna-se lei baseada em precedentes.

De um modo geral, todos os assuntos semelhantes deveriam ser tratados da mesma maneira no futuro. Portanto, temos geralmente duas classificações e métodos de receber leis do Eterno: pelo oráculo (como no Monte Sinai), e pelo precedente, quando uma situação exige um remédio e, portanto, é levado ao Senhor e Ele decide.

Mas é bom esclarecer que Deus deixa claro que TODA a terra de Canaã, que em breve será chamada Israel, é SUA. A melhor imagem mental desse arranjo em termos modernos seria a diferença entre comprar uma casa e arrendar.

Em um caso, o título da terra e da moradia pertence a você, no outro, você simplesmente possui a propriedade com a finalidade de usá-la, pagando algo para o proprietário. A propriedade não tem data de expiração; os arrendamentos são limitados no tempo.

Deus estava dando aos hebreus EXCLUSIVAMENTE o uso da propriedade em perpetuidade. Portanto, uma vez que não se pode vender o que não se possui, os israelitas não tinham o direito de vender terras em Israel, especialmente para estrangeiros; e estritamente falando nem um ao outro.

Agora, este seria um bom momento para esclarecermos algo, pois Israel está ativamente engajada em desistir da terra na esperança de paz com seus inimigos.

Ou de uma perspectiva bíblica, ativamente engajada em se rebelar contra o Senhor, abandonando a posse da terra que foi reservada exclusivamente para eles pelo Eterno.

Aqueles que como eu são partidários de Israel observam com sofrimento, e frustração a tentativa tola e errada do governo israelense de apaziguar seus inimigos, entregando a terra de D’us aos seus inimigos.

Sua esperança é que, desistindo daquela terra, seus inimigos lhes darão a paz em troca. No entanto, inexplicavelmente, quanto mais terra eles desistem, mais seus inimigos os atacam.

Apenas há alguns anos atrás, Israel desistiu da Faixa de Gaza, e quase imediatamente Israel ficou sob ataque de foguetes de Gaza.

A minha conclusão de que tudo o que Israel fez ao abandonar uma vez mais a terra pela paz é encorajar seus inimigos a exigir mais. E por que eles não enxergam isso, não consigo entender.

Os israelenses não têm o direito (de uma perspectiva espiritual) de entregar uma polegada quadrada de Israel a QUALQUER UM, especialmente a seus inimigos. De todas as possibilidades, não consigo pensar em um plano pior do que este.

NÃO podemos aplaudir ou ser parte de tal plano. De fato, precisamos nos opor a isso energicamente e não falando de justiça ou mesmo de direito internacional. Em vez disso, devemos nos basear nos convênios de Deus que deram aos hebreus a terra para todo o tempo.

Números 27
12 Depois diss Senhor a Moisés: sobe a este monte de Abarim, e vê a terra que tenho dado aos filhos de Israel. 

No versículo 12, o assunto do capítulo 27 dá uma guinada e nos é dada a história de  que é selecionado um novo líder para substituir Moisés .Isso foi necessário porque :

  1. a) Moisés era um homem muito idoso e estava bem além de ser o líder de um exército, e
  2. b) o Senhor determinou que Moisés (devido a seu pecado de se rebelar contra Deus) não seria autorizado a entrar na terra. No entanto, Moisés, pelo menos, poderia vê-la.

Então, vemos Moisés subindo uma montanha em uma gama de montanhas que na época se chamava Abarim; e a partir daí obtendo uma visão da Terra Prometida que ele nunca conseguiria pisar.

Mais tarde, descobriremos que essa montanha em particular é chamada de Monte Nebo. E o Senhor diz que logo depois que Moisés ver a terra, ele morrerá.

Então, no verso 15, este Mediador de Israel mostra seu coração pelo povo, pedindo ao Senhor que nomeie um novo líder para que a comunidade de Israel possa ser cuidada. E a pessoa qu Eterno escolhe é Josué, filho de Nun.

Josué é bem qualificado para o trabalho porque ele foi assistente de Moisés por muito tempo. Ele também tem grande mérito aos olhos do Senhor, porque ele foi um dos dois batedores que spuseram ao resto de Israel quando eles hesitaram e se recusaram a confiar em Deus para a vitória sobre seus inimigos na Terra Prometida.

Vamos notar uma diferença interessante entre a morte de Arão, o Sumo Sacerdote (irmão mais velho de Moisés) e a subseqüente nomeação automática de seu filho Eleazar como o novo Sumo Sacerdote, versus a morte próxima de Moisés e a subseqüente denominação de um novo líder de Israel. pelo Senhor.

Primeiro, Arão não perguntou ao Eterno (como fez Moisés) por um Sumo Sacerdote substituto porque a linha de sucessão era definida e automática. O filho primogênito de Arão,  seria o novo Sumo Sacerdote, e este seria o padrão daqui em diante para a sucessão Sacerdotal.

No entanto, não houve nenhum sucessor automático de Moisés. De fato, não haveria nenhum verdadeiro sucessor para Moisés. O papel mais importante de Moisés, era como Mediador para Israel, e isto não tem como transmitir.

Josué seria um líder excepcional para Israel e não um mediador. Quando Moisés precisou de respostas do Senhor, ou o Senhor quis dizer algo a Moisés, o Eterno fez comunicação direta com Moisés. Isso geralmente não seria assim com Josué. Josué não seria o novo mediador de Israel.

O Senhor, em toda a história, forneceu apenas dois mediadores e apenas dois. E isso é tudo que sempre haverá. Moisés foi o primeiro, Yeshua, o segundo.

Nenhum deles teve um sucessor. Josué deveria governar, cuidar e liderar Israel; e não ser um mediador.

Nós não somos os substitutos de mediadores para Yeshua, somos apenas seus discípulos. E agora que Yeshua morreu e ressuscitou, nunca mais haverá outro. Quando Ele vier novamente, não será como Mediador, mas como conquistador,como Rei,e reinará no Milenio e subjugará todos os inimigos.

Números 27
18 Então diss Senhor a Moisés: Toma a Josué, filho de Num, homem em quem há o Espírito, e impõe-lhe a mão; 

 Às vezes esta transferência é autoridade (como entre Moisés e Josué) e em outras ocasiões pode ser a transferência de culpa ou pecado de um homem para um animal.

Todo o propósito do sacrifício animal girava em torno da transferência e da substituição. Portanto, essa imposição de mãos foi um simbolismo ritual e pintou um quadro completo do que viria com o advento de Yeshua. (não iniciou no NT)

Este capítulo termina com Moisés e Josué diante de Eleazar, o Sumo Sacerdote, e toda a comunidadbservando enquanto Josué é, em essência, ordenado com autoridade. Isso é feito diante de todo o povo para que todos reconheçam Josué como a escolha de Deus, e se submetam à sua liderança.

Moisés representa a primeira vinda de Yeshua como Mediador,Legislador e Resgatador do povo e Josué a segunda como Conquistador.

Os capítulos 28 e 29 são efetivament calendário hebraico de sacrifícios públicos. Isto é, existem vários tipos de anos civis em todas as sociedades. Em Israel, temos o ano do calendário secular, o ano do calendário ritual, o ano do calendário do dízimo utros.

O que este capítulo mostra é o ano civil do calendário religioso. Esta seção nos capítulos 28 e 29 mostra os rituais ao tempo em que Israel estaria celebrando esses sacrifícios e festas em sua própria terra; e, portanto, eles teriam todos os alimentos e animais e vinho e tudo disponível para realizar adequadamente esses rituais em uma base regular.

O sacrifício é o cerne da adoração. Os sacrifícios da Torá são figuras e padrões que deveriam ser tomados literalmente e executados com precisão; todavia, eles também são proféticos de uma época em qu Messias viria cumprir o propósito daqueles sacrifícios.

Os cristãos modernos geralmente não compreendem o sacrifício bíblico. Parte disso é porque a Bíblia não se preocupa em explicar o significado e propósito de cada um pois são cuidadosamente expostos na Lei de Moisés.

No entanto, para o povo da era de Moisés e por mil anos depois dele, o significado era mais do que óbvio.

A cesta dos rituais de sacrifício trouxe automaticamente a compreensão de por que aqueles rituais eram necessários. Os seguidores da Torá entenderam quão cara e sangrenta é a expiação dolorosa.

Eles entenderam que existem níveis diferentes dfender o Eterno. Eles entenderam que existem alguns pecados que não podem ser expiados com um substituto.

Eles entenderam qu pecado e a santidade estão organicamente conectados e multifacetados. Eles entenderam que você não podia separar sua vida da sua fé;

que não poderia se comportar de uma maneira 6 dias da semana utra no sábado.

Existem 4 categorias principais de sacrifícios ordenados na Torá:

  • o holocausto, o ‘Olah; a oferta de purificação,
  • o Chatat; a reparação ou oferta de culpa, Sacrifício expiatório
  • o ‘Asham; Sacrifício para pagar uma culpa;
  • o Shelamim oferenda de paz;

Então, como você pode ver, a expiação pecado são assuntos grandes e complexos. Pode parecer simples para um gentio, em particular, que não tenha conhecimento algum do sistema sacrificial.

Mas a morte do nosso Salvador como sacrifício de expiação não foi simples. Nosso Pai não reduziu a complexidade do pecado e da expiação quando Seu Filho morreu e depois ressuscitou dos mortos.

Foram as doutrinas dos homens que parecem fazer todo o possível para nos impedir  sequer de ler sobre as leis rdenanças de Deus.

Ou que nosso “sacrifício” é simplesmente responder a um chamado ao altar ou a um avivamento ou um culto na igreja; indo na frente e dizendo sim ao chamado de Yeshua.

Ou pior, que nossos atos bras nada têm a ver com nada. Certamente nossos atos bras nunca podem nos salvar; mas nossos Atos bras são com certeza uma medida de nosso compromisso com nosso SENHOR e com os princípios eternos de D’us.

CAPÍTULO 29

Nós só vamos falar superficialmente sobre estes capítulos finais porque todos os detalhes sobrs vários tipos de sacrifícios já vimos em profundidade quando estudamos o livro de Levítico.

E no versículo 1 do capítulo 29 o Senhor instrui qu primeiro dia do mês 7 seja uma ocasião especial; aquele em qu Shofar é tocado. Em hebraico diz que é  dia de Yom Teruah (um dia de sopro ). Por isso, veio a ser conhecido como a Festa das Trombetas.

Parte da chave para entender o que essa ocasião especial significa está embutida no significado do número “7”. Pense em como funciona uma semana: o primeiro dia da semana não tem nada de especial , mas o sétimo dia é muito especial porque é o dia de Shabbat (sábado), um dia especialmente sagrado de acordo com o Senhor.

Bem, o sétimo mês é como o mês do sábado. Não qu sétimo mês seja um mês inteiro de descanso, mas é o sétimo ciclo da lua desd começo do ano do calendário religioso; é o sétimo mês desd início dos meses e, como tal, é um mês especialmente sagrado.

Portanto, é exatamente no padrão estabelecido por Deus qu sétimo de qualquer coisa tem um significado especial.

Este primeiro dia do 7º mês também é chamado de Rosh Hashaná, que significa a cabeça do ano; é o ano novo judaico. Mas como também é o primeiro dia de um novo mês (ou lua nova), ele também tem significado adicional.

Os calendários babilônicos mais antigos indicam qu sétimo mês do ano é geralment primeiro mês do ano agrícola; e ainda mais o ano do jubileu de 50 anos que Deus ordenou para começar em Rosh Hashaná.

Porque este é um dia especialmente sagrado, ele tem sua própria série dedicada de sacrifícios.

10 dias depois, no 10º dia do 7º mês, o versículo 7 fala dutra ocasião sagrada; outra festa bíblica ordenada por Deus. Esta é talvez a festa mais sóbria e ainda assim alegre das 7 festas: Yom Kippur, o Dia da Expiação.

Este é o único dia do ano qu Sumo Sacerdote foi autorizado pelo Eterno a entrar no Santo dos Santos no Santuário. E, o propósito dessa entrada era trazer sangue para borrifar no Propiciatório, na tampa da Arca da Aliança, e em outras áreas do Templo para purificá-lo e purificá-lo da contaminação que sofreu de um ano de contato humano.

A celebração é  executada APENAS pelo Sumo Sacerdote. Os Hebreus comuns NÃO vão ao Templo neste dia.

Durante vários dias do Yom Kippur, faziam muito jejum rações; mas após a expiação de Iom Kipur, as pessoas são perdoadas e podem avançar para o novo ano sem que seus pecados passem por cima de suas cabeças.

Existutra festa que é falada no começo do versículo 12: a Festa de Sucot, também conhecida como a Festa dos Tabernáculos ou a Festa das Cabanas.

Esta é a terceira e última das festas de peregrinação em que um homem, na idade da responsabilidade, deve ir ao templo para celebrar e sacrificar. Esta festa baseada na agricultura marca o fim do ano agrícola.

A quantidade tipo de sacrifícios necessários para esta festa nos dizem o quão importante é: cinco vezes mais touros e duas vezes mais cordeiros e carneiros são oferecidos para sacrifício durante esses 8 dias de Sucot do que nos dias da Festa de Pessach.

Superficialmente, esta festa é sobre dar graças ao Senhor por sustentá-los no ano anterior; mas por baixo de tudo isso é sobre  todos aqueles que deram seus corações ao Senhor e sua confiança no Deus Todo-Poderoso.

Embora digamos que Sukkot seja um festival de 8 dias tecnicamente, são apenas sete; São 7 dias da Festa dos Tabernáculos, seguidos por um dia extra de sábado e também é um dia de reunião e comunhão em cerimônia religiosa.

Esta festa tem um calendário muito singular de sacrifício ritual: começa no primeiro dia, oferecendo 13 touros (o mais caro de todos os animais) e, em seguida, durante um período de 7 dias, o sacrifício é reduzido em um touro por dia.

Assim, no primeiro dia de Sucot 13 touros são sacrificados, no segundo dia são sacrificados 12 touros e no sétimo dia de Sucot 7 touros são sacrificados.

Por que 13 touros? Normalmente, quando temos sacrifícios em nome de todo o Israel, o número é 12. O 13 significa as 12 tribos de Israel, mais a tribo de Levi, a tribo sacerdotal.

Lembre-se que a tribo de Levi foi separada de Israel pelo Senhor para um serviço especial e NÃO deveria ser contada como Israel. Mas aqui temos uma reunião de Levi com Israel, algo que provavelmentcorrerá no Reino Milenar.

Quando você soma o número de touros sacrificados durante todo o período de 7 dias, chega a 70 touros. Os rabinos estudiosos da Guemátria dizem qus 70 representam todas as nações do mundo. Isso não é fascinante?

A Tradição Rabínica diz que a mais grandiosa de todas as festas; o final de todas as festas, tem um elemento significativo que envolv mundo em geral e não apenas os hebreus.

Do ponto de vista profético, a Festa dos Tabernáculos representa aquele tempo de reunião final do Israel de D’us no final dos dias. É aquela época em qu Senhor reúne todos os que são Seus e destrói o restante, e é a entrada no reinado de 1000 anos do Messias que normalmente chamamos de Reino Milenar.

Compreender os sacrifícios ordenados pelo Senhor e Suas festas bíblicas também ordenadas, e meditar em tudo o que aconteceu e no que está prestes a acontecer , dará muito mais sentido e muito mais compromisso com o Senhor.

Translate »