Parasha Nitsavím – De pé

Beit HaDerekh

Nitsavím      נצבים  פרשת     (De pé)

Dt 29.9-30–30.20 / Is 61:10 – 63:9 / Jo 15:1-11

Na semana passada, terminamos de examinar a longa lista de ameaças em Deuteronômio 28 que Deus fez a Israel, caso violassem os termos do Pacto Mosaico. Essas ameaças são chamadas de maldições e algumas são de natureza extrema. De fato, o capítulo 28 profetizou que Israel assumiria essas maldições porque, inevitavelmente, com o tempo eles quebrariam a aliança.

Entrei em alguns detalhes sobre a questão das “maldições” e “A maldição”; ou como melhor conhecemos, “A Maldição da Lei”.

Maldições se referem às penalidades associadas a várias ofensas contra Deus; algumas leves, outras fatais. As maldições refere-se essencialmente à morte e ao mal. Mas talvez o mais aterrorizante seja que estar sujeito as maldições significa qu nome de alguém poderá ser apagado do livro da vida.

Passei também um pouco mais de tempo com o significado de “A Maldição da Lei” pois é um termo que é usado em alguns versículos cruciais do Novo Testamento; e seu significado foi terrivelmente mal interpretado. Provavelmente, um dos dez versículos mais citados no Novo Testamento é Gálatas 3:13:

Gálatas 3:13 Cristo nos redimiu da maldição da Lei, tornando-se uma maldição para nós – pois está escrito: “Maldito todo aquele que se pendura na árvore” –

Este versículo é a exibição número um nas crenças doutrinárias da maioria das denominações que giram em torno da lei como sendo negativa e uma instituição defeituosa que, felizmente, o Senhor aboliu. E a explicação é que Paulo disse que a lei é a própria maldição.

Em outras palavras, a frase “a maldição da lei” é como dizer “a maldição do câncer”. O câncer é em si uma coisa amaldiçoada; a própria lei é uma coisa amaldiçoada. Nada poderia estar mais longe da verdade.

Agora deve estar claro para você que a Lei (a Torá) consistia em três elementos principais: as leis ,os mandamentos, a lista de bênçãos por ser obediente a essas leis e a lista de maldições por ser desobediente a essas leis.

As maldições da lei são apenas um elemento da lei; eles representam as consequências, as penalidades por violação.

Mas observe que Paulo diz “a maldição”, singular, não “maldições”, plural. Não pense que isso é uma questão trivial; Paulo não misturava descuidadamente singulares e plurais.

A maldição da lei, condenação, é o que acontece a uma pessoa quando escolhe a morte mal em detrimento da bondade e da bênção ao se afastar intencionalmente de Deus.

A Maldição da Lei é a morte eterna e a separação de D’us, era assim naquela época e permanece assim até hoje. O que Paulo está explicando é que Yeshua se tornou o objeto da Maldição da Lei em nosso lugar, e assim um seguidor de Yeshua NÃO terá a possibilidade da morte eterna pairando sobre sua cabeça por seu mau comportamento.

No entanto, as penalidades individuais (as maldições) que NÃO envolvem separação eterna do Senhor permanecem. O Senhor entregou a administração de Seu sistema de justiça aos governos humanos; e até certo ponto eu concordo com isso. Roubamos, somos presos. Nós assassinamos, devemos ser executados.

Portanto, essa noção de que não há consequências divinas para os crentes por nossos comportamentos terrestres (exceto talvez que possamos ter uma joia a menos em nossa coroa na eternidade) é doutrina feita pelo homem e não está nas Escrituras.

O Senhor, por intervenção divina direta ou por meio do governo humano  permitiu, nos disciplinar quando violarmos Seus mandamentos. MAS  o que foi deixado de lado para os crentes é A Maldição da Lei, condenação eterna, porque Cristo se tornou condenado por nós.

Resumindo:

1) A Lei não é uma maldição e Paulo nunca disse que era

2) as consequências (maldições) de violar as leis de Deus permanecem até certo ponto; e

3) um crente está realmente sujeito a enfrentar consequências pelo pecado, mas essas consequências de um modo geral não incluem a condenação eterna.

O capítulo 29 é essencialmente Moisés pedindo a essa nova geração que ratifique a aliança como seus pais o fizeram.

No início deste capítulo, Israel ainda está na fronteira de Moabe, aguardando a ordem de Deus para avançar e tomar a terra. Moisés deu a Lei à 2ª geração do Êxodo, após a morte no Deserto da maioria da 1ª geração como um julgamento divino de sua recusa em entrar e conquistar Canaã 38 anos antes.

É bastante esclarecedor quando vemos que Israel realizou cerimônias de ratificação de convênio em três lugares: o Monte Sinai, em Moabe, e logo após cruzar o Jordão e entrar na Terra Prometida. Três lugares, três territórios diferentes e três cerimônias de aliança: Midiã, Moabe e Canaã.

LEIAMOS  DEUTERONÔMIO 29

A primeira coisa que Moisés faz é lembrar Israel de sua história de redenção. Ele lembra que muitas pessoas foram testemunhas oculares das maravilhas com qu Eterno atingiu o Egito, a fim de libertar e redimir Seu povo.

A matemática simples nos diz qus hebreus vivos mais antigos da época (fora Josué, Calebe e Moisés) tinham quase 60 anos. Quando Israel deixou o Egito, a idade da Decisão era essencialmente a mesma da idade que um homem poderia servir ao exercito, de 17 a 20 anos.

Então, quando D’us condenou a 1º geração do Êxodo a morrer no deserto isso incluiu apenas pessoas com 20 anos de idadu mais na época.

Portanto, muitos milhares de jovens israelitas (que estavam no final da adolescência) testemunharam pessoalmente não apenas as pragas de Deus no Egito, mas também a aliança dada a Moisés no Monte Sinai.

No entanto, como ainda não havia idade para prestar contas, eles não podiam aceitar pessoalments termos do convênio, mas seus pais poderiam concordar por eles. Dito isto, uma vez que cada menor atingisse a idade de prestação de contas, elu ela teria que concordar pessoalmente (ou não) em fazer parte da aliança.

De fato, veremos, que toda geração futura de israelitas que nascer é considerada automaticamente nascida sob o pacto . No entanto, uma vez que a criança atinge a idade de prestação de contas, ele e ela DEVEM declarar por si mesmos sua lealdade à aliança ou não são considerados membros da aliança.

Em um sentido amplo, esse é o propósito de uma cerimônia do Bar Mitzvah (e um Bat Mitzvah ( בר מצוה , “filho do mandamento”) e a leitura da Torá é um elemento essencial dela. Poderíamos chamar esse evento como uma cerimônia de renovação da aliança.

Isto serve como orientação para você e não importa a sua religião. A questão é saber se uma criança está sob a proteção da aliança de Deus ou não. O conceito permanec mesmo e Deuteronômio é a fonte.

Se alguém segue estritamente as Escrituras, a idade da Decisão é a idade em qu recrutamento militar ocorre. Até a idade Decisão, a criança tem o mesmo status que seus pais.

Ss pais estão sob o convênio, então o filho deles está sob o convênio. Ss pais estão FORA do convênio, o filho está fora do convênio. Funciona da mesma maneira, com o Novo Testamento, a menos que a criança faça uma profissão de fé por conta própria. No caso dos judeus a idade é entre 12 e 13 anos.

Deuteronômio 29:4 Mas até hoj Senhor não vos tem dado um coração para entender, nem olhos para ver, nem ouvidos para ouvir.

Moisés diz que muitos de vocês testemunharam pessoalmente as maravilhas do Egito e do Monte Sinai, mas no versículo 4, ele diz que, apesar d Senhor não ter lhe dado uma mente para entender, nem olhos para ver, nem ouvidos para ouvir; significando que eles não entenderam o significado de tudo.

O que realmente diz é que, embora você tenha ouvidos, você não é shema que NÃO quer dizer apenas ouvir e sim é que você deve ser obediente ao quuviu.

Sem FAZER o que você ouviu, você não tem shema. É isto que Moisés está falando: você tem ouvidos mas até agora você não está FAZENDO o que as palavras ordenam que você faça.

Todos esses versículos que falam de mentes que não entendem, olhos que não veem uvidos que não ouvem descrevem a cegueira espiritual. Isso significa que Deus deve dar a cada um de nós consciência espiritual ou não podemos começar a seguir corretamente Suas instruções.

O estudioso judeu da Torá Jeffrey Tigay (que não é crente), chega a conclusão que: “D’us dá ao coração a capacidade de fé, mas que soment faz para aqueles que a procuram. O homem deve ter o desejo dbedecer a Deus e só então Deus o ajudará a fazê-lo. ”

A fé, confiando em Deus, é a chave. A lei foi dada a Israel, NÃO porque a estavam buscando ou porque eram fiéis (não eram), mas porque DEUS era fiel.

Mas mesmo a entrega da lei no Monte Sinai não livrou automaticaments israelitas de sua cegueira espiritual. Soments hebreus que tiveram fé e confiaram no Eterno receberam o “código de desbloqueio” para a Palavra de Deus.

Somente aqueles que amavam a Deus e queriam ser obedientes receberam mentes para entender, olhos para ver uvidos para ouvir.

Naturalmente, esse padrão é cumprido até hoje e é a base do Novo Testamento.

Gálatas 3: 2 Só isto quero saber de vós: Foi por obras da lei que recebestes o Espírito, ou pelo ouvir com fé?

Moisés estava dizendo que receber a Lei é uma questão separada de receber a capacidade de compreender a Lei. Deus já deu o presente da lei mesmo para aqueles que não queriam recebê-lo.

Mas o dom de entendê-lo como pretendido por Deus só chega àqueles que O procuram pessoalmente em confiança e desejam ser obedientes a Ele.

O Espírito Santo É o código de desbloqueio para a Palavra de Deus. Sem o Espírito Santo רוּחַ קֻדַּשׁ (ruachkodesh )nunca seremos capazes de entender as Escrituras e suas intenções.

E obedecer a Lei sem confiar em Deus é uma obra vazia e sem sentido que NÃO agrada ao Senhor. Essa é, de fato, o verdadeiro legalismo.

Algumas coisas a serem observadas: vinho e bebida forte são perfeitamente permitidos de acordo com as Escrituras. Não há nada errado com as bebidas alcoólicas. O vinho é o símbolo bíblico e a metáfora da alegria. Yeshua transformou a água em vinho porqus casamentos deveriam ser alegres casamento que ele e sua mãe estavam assistindo estava com falta de vinho e, portanto, alegria.

O que não é aceitável é a embriaguez e a irresponsabilidade.

Dt 29:9-13 :9 Guardai, pois, as palavras deste pacto e cumpri-as, para que prospereis em tudo quanto fizerdes. 10 Vós todos estais hoje perant Senhor vosso Deus: os vossos cabeças, as vossas tribos, os vossos anciãos s vossos oficiais, a saber, todos os homens de Israel, 11 os vossos pequeninos, as vossas mulheres, estrangeiro que está no meio do vosso arraial, tanto o rachador da vossa lenha como o tirador da vossa água; 12 para entrardes no pacto do Senhor vosso Deus, e no seu juramento qu Senhor vosso Deus hoje faz convosco; 13 para que hoje vos estabeleça por seu povo, e ele vos seja por Deus, como vos disse e como prometeu com juramento a vossos pais, a Abraão, a Isaque e a Jacó.

Dos versículos 9 a 20, testemunhamos a cerimônia de ratificação da aliança. E as primeiras palavras desta cerimônia são: “… vocês permanecem neste dia, todos vocês, diante do Senhor….”

E o texto se esforça para incluir todas as  pessoas que viajam com Israel: líderes, homens e mulheres, crianças e até estrangeiros. Lenhadores e tiradores de água que são as tarefas mais humildes, então isso significa que nenhum grupo social foi deixado de fora.

E o povo estava presente para ter a oportunidade de se tornar um membro da comunidade da aliança; O que esse versículo significa é “(berit ve-‘alah), que é “uma aliança guardada por maldições”.

Em certo sentido, isso era uma cautela e um aviso para não entrar nessa aliança levianamente, porque as repercussões da quebra de seus termos poderiam ser fatais.

1 Coríntios 11:26 Pois, quando você come este pão e beb cálice, proclama a morte do Senhor até que ele venha. 27 Portanto, quem comer o pão do Senhor ou beber o cálice do Senhor de maneira indigna será culpado de profanar o corpo sangue do Senhor!

É muito preocupante que muitos de nós pensam que agora que ingressamos na comunidade da Nova Aliança não temos deveres, não temos regras e não há consequências para nossas ações.

Não há UM versículo no AT. ou no NT que sugere uma coisa dessas.

Creio que é hora da Igreja se arrepender disso e reexaminar essas questões antes que seja tarde demais para milhões de frequentadores da Igreja que honestamente pensam que estão em segurança na congregação do Senhor, mas não têm interesse em Sua Palavra ou nos seus caminhos.

O versículo 19 é absolutamente aterrorizante. Diz qu Senhor não perdoará aqueles que caírem dessa maneira e que a soma total de toda maldição da Lei estará sobre essa pessoa, e qu Eterno apagará seu nome do céu.

Que significa “apagar o seu nome”? O significado já se tornou claro: está falando da morte eterna. Está falando da maldição da lei. É condenação absoluta.

Moisés apresenta as maldições e as bênçãos da Lei em forma de resumo. Todo o Israel está presente, mesmo os estrangeiros que se uniram a Israel, para este sermão de exortação do líder ungido de Israel, cujo tempo é agora muito curto.

Ele tem lembrado à 2ª geração do Êxodo que esses golpes contra o Egito eram a ira de Deus com o objetivo dbter a libertação de Israel da mão do inimigo. No entanto, o Senhor visitaria  Israel com estes julgamentos também, se eles não cumprissem os termos do Pacto Mosaico.

Não apenas isso, mas Ele retornaria Israel ao inimigo (aqui metaforicamente referido como Egito); isto é, Israel seria exilado da Terra Prometida, que agora eles estão prestes a ocupar e, em vez disso, forçados a viver sob jugo em outra terra.

É um fato histórico que desde a conquista de Canaã por Israel, sob liderança de Josué, as únicas vezes em que a terra de Israel foi fértil e frutífera foi quando os israelitas viveram lá. Cada vez que eram exilados, a terra ficava em repouso.

Israel sem o seu  povo tornava a terra incompleta. As belas fazendas e estufas que dominam a paisagem de Israel hoje só começaram a reaparecer no início dos anos 1900, quando os judeus começaram a procurar refúgio lá de sua situação na Europa.

À medida que chegavam a Israel a terra parecia responder como uma vítima de pneumonia responde aos antibióticos modernos. Os pântanos cheios de malária foram drenados e se tornaram terras agrícolas; o deserto floresceu. As encostas ficaram exuberantes com oliveiras e pistaches, e agora até mangas e bananas.

Pode ser uma surpresa, mas a Faixa de Gaza ficou conhecida como Estufa de Israel. Produziu cerca de ½ de todos os produtos alimentares kosher para Israel.

No curto espaço de tempo desde que Israel se curvou à pressão internacional e entregou aos palestinos, a produção de alimentos caiu tão drasticamente que não pode sequer alimentar a pequena população palestina de Gaza.

Voltando a Deuteronômio, Deus falava com Israel e não fazia ameaças, nem retaliava com consequências injustas, como um meio de controle. Descobrimos que tudo o qu Eterno disse que Israel acabaria fazendo; e tudo o que ele faria a eles em consequência da rebelião aconteceu.

Assim, a pergunta é: “qual é o significado de tanta raiva, e fúria  de Deus?” Em outras palavras, o que Israel poderia ter feito para cessar essa ira sobre suas cabeças?

É interessante como a rebelião contra Deus geralmente acontece; na maioria das vezes, de uma forma sutil e tudo parece perfeitamente normal. A rebelião pode passar despercebida, porque às vezes a atividade rebelde parece ser de natureza piedosa, pois a maioria das pessoas concorda com ela e avança alegremente.

Mesmo nos casos mais extremos, como a Inquisição, em que a igreja queimou milhares de pessoas na fogueira, aprisionou e torturou  ​​milhares e procurou expulsar os judeus da Europa, poucos na Igreja questionaram se estavam ou não fazendo o que deveriam. O que poderia ser mais piedoso do que procurar e destruir os hereges?

Embora hoje em dia não tenhamos nada parecido com a Inquisição acontecendo dentro da igreja, adotamos lenta e seguramente hábitos e costumes que nos aproximam do mundo (e, por definição, nos afasta de Deus);.

Várias Escrituras do Novo Testamento falam do retorno do Messias e das consequências desse retorno; e um dos resultados será que as pessoas ficarão surpresas e confusas, pois um grande número de pessoas aparentemente agradáveis ​​e piedosas, incluindo muitas que enchem as Igrejas e as sinagogas, se encontram diretamente na mira da Ira de Deus.

O mundo (e grande parte da igreja e da sinagoga) fará a pergunta retoricamente em Deuteronômio 29:23: “qual é o significado da raiva furiosa de Deus?”

A resposta é realmente bastante lógica: quando a Bíblia fala de lei, está falando apenas das Leis da Torá, dos mandamentos bíblicos. A única lei que qualquer judeu chamava de “lei” era a lei de Deus.

Embora Yeshua certamente não tenha defendido os judeus criticando o código da lei romana, também não podemos pensar seriamente que se um judeu se recusasse a seguir as leis do Império Romano (como curvar-se diante de César ou observar um dia de adoração por Zeus) que isso equivalia a ilegalidade.

Mateus 7 :21Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus.    22 muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres?    23 então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade. 24 todo aquele, pois, quuve estas minhas palavras e as põe em prática, será comparado a um homem prudente, que edificou a casa sobre a rocha.    25 E desceu a chuva, correram as torrentes, sopraram os ventos, e bateram com ímpeto contra aquela casa; contudo não caiu, porque estava fundada sobre a rocha.    26 mas todo aquele quuve estas minhas palavras, e não as põe em prática, será comparado a um homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia.    27 E desceu a chuva, correram as torrentes, sopraram os ventos, e bateram com ímpeto contra aquela casa, e ela caiu; e grande foi a sua queda.  

A declaração de Cristo não se referia aos diferentes códigos de leis nacionais civis ou criminais dos vários estados e países do mundo na época ou que viriam em tempos futuros; estava se referindo à única lei que havia para um judeu: a Torá.

Yeshua está falando sobre lei do ponto de vista de Deus, não do ponto de vista terreno. Yeshua está dizendo: “afaste-se de mim, você que ignora os mandamentos de Deus, mas vai à sinagoga ou a igreja sem falhar; ou se comportando piedosamente nas reuniões da congregação, mas na verdade não tem nenhum relacionamento com o Senhor”.

Esta resposta do Novo Testamento é a mesma  resposta do Antigo Testamento para “o que aconteceu com Israel?” Foi o Antigo Testamento que estabeleceu o padrão.

Deuteronômio 29:24 diz que a ira de Deus veio sobre Israel porque eles abandonaram a Aliança Mosaica; eles foram e serviram outros deuses; eles serviram coisas que não foram atribuídas a eles (coisas reservadas para o mundo em geral, mas não para as pessoas separadas para o Eterno).

E foi por essa razão que aqueles que pareciam externamente fazer parte da comunidade de fiéis neste caso Israel foram removidos da Terra Prometida DEPOIS de serem resgatados, depois de receberem os mandamentos, e DEPOIS deles chegaram à terra dada pelo Senhor e se estabeleceram ali.

Como os exilados de Israel sempre foram julgados como coletivos e não individuais, todos os hebreus foram afetados, independentemente de seu status pessoal e individual diante de Deus.

Como Paulo diz ao novo grupo de crentes gentios em

Romanos 11:19, você dirá: “Ramos foram quebrados para que eu fosse enxertado”. 20 Verdade, mas e daí? Eles foram interrompidos por falta de confiança. No entanto, você mantém seu lugar apenas por causa de sua confiança. Portanto, não seja arrogante; pelo contrário, fique aterrorizado! 21 Porque, se Deus não poupou os ramos naturais, ele certamente não poupará você! 22 Portanto, dê uma boa olhada na bondade de Deus e sua severidade: por um lado, severidade para com os que caíram; mas, por outro lado, a bondade de Deus para com você – desde que você se mantenha nessa bondade! Caso contrário, você também será cortado!

A redenção foi revertida porqus remidos se afastaram por sua própria vontade.

O verso final diz que existem coisas reveladas de Deus que pertencem a Israel e seus filhos para sempre, e isso é para que essas coisas possam ser observadas.

Essas coisas reveladas são a Palavra de Deus, a Torá. Então, novamente, existem aquelas coisas ocultas que pertencem apenas ao Eterno;

Uma das maiores ferramentas que temos como praticantes da Torá, é porque nela estão os alicerces da redenção; e dentro das leis e mandamentos, encontramos o que agrada a Deus qu desagrada.

No entanto, desd início do século III dC, a Torá foi deixada de lado pela igreja institucional orientada pelos gentios não apenas como algo irrelevante, mas abolida. Os resultados tristes são evidentes para quem tem olhos para ver.

Segundo o  professor Thomas Scott é nossa propensão querer saber o porquê de tudo nas Escrituras que nos leva a fantasias e isso criou o corpo dividido de Cristo que existe hoje.

Além disso, decidimos que Deus precisa de nossa ajuda para contar e estruturar Suas leis e princípios como se a Palavra não estivesse completa.

Decidimos que nosso intelecto não é suficientemente satisfeito se não podemos pegar a Bíblia e transformá-la em um sistema bem definido que tem uma resposta pronta para todas as questões teológicas e sociais.

Em nossa era, o cristianismo desviou os olhos da bola e ficou apaixonado pelo futuro. Todos nós estamos convencidos, de que estamos vivendo no período que a Bíblia chama dos últimos dias.

Para satisfazer essa paixão, temos todo tipo de teoria teológica que pretende ter a maioria, se não toda, a verdade sobr que vai acontecer no futuro próximo. Essas teorias teológicas têm todos os tipos de nomes extravagantes: pós e pré-milenismo, meados e pós-tribulação, arrebatamento pré-ira e assim por diante.

De alguma forma, deveríamos nos contentar com Deuteronômio 29:28; as coisas ocultas são de Deus e as coisas reveladas nos pertencem.

Por causa de nossa preocupação moderna com essas coisas ocultas (coisas proféticas), muitas vezes prestamos pouca atenção às coisas reveladas (a Palavra escrita, com suas orientações e comandos claros).

Suponho que seja muito mais fácil pensar em um futuro glorioso como previsto por alguém com autoridade, do que respeitar as leis s mandamentos revelados que podem ser inconvenientes e, às vezes, sufocam nosso individualismo.

Mas pensar que podemos discernir os mistérios proféticos não revelados por Deus é uma coisa muito perigosa.

Os sábios judeus e as autoridades religiosas das décadas que antecederam o nascimento de Yeshua aguardavam ansiosamente a vinda profetizada nas Escrituras do seu Messias judeu.

Suas circunstâncias ​​de estarem sob opressão por Roma levaram muitos a uma preocupação de planejar o glorioso advento da vinda do Libertador, em um futuro próximo.

Todo tipo de teoria sobre quem ele seria, como nde ele apareceria e em que circunstâncias, e quando ele se revelaria, levou a uma série de doutrinas que deixaram pouco espaço para discordância.

Tão convencidas estavam as várias autoridades religiosas qu Senhor lhes revelara insights secretos sobre a vinda do Messias judeu que até então não haviam sido reveladas aos homens, que quando o Messias chegou, a maior parte da população judaica terrivelmente enganada o descartou completamente.

O Salvador Judeu de Nazaré simplesmente não se encaixava no molde rígido das doutrinas errôneas feitas pelo homem qus intelectuais e a liderança religiosa haviam inventado e declarado como verdade inatacável. E todos que pensavam o contrário eram hereges.

Isaac Newton, um teólogo muito antes de ser cientista, disse uma vez que o objetivo da profecia bíblica não era nos dar uma visão do futuro; era para que pudéssemos relembrar as profecias já cumpridas e ver a imutável fidelidade de Deus.

Vamos ficar satisfeitos com o que Eterno já nos revelou e deixar qu futuro não revelado ocorra como só Ele sabe que será, para que não trabalhemos com propósitos contrários ao Senhor ou cegos para os eventos ordenados à medida que eles acontecem.

Vamos decidir concentrar nosso tempo e esforço nas coisas reveladas de Deus e deixar qus mistérios de Deus permaneçam assim até que aconteçam. Vamos nos concentrar em Sua Palavra, Sua Torá, Sua Bíblia inteira rar por discernimento sobr que Ele já nos deu claramente.

Vamos para o capítulo 30.

Moisés faz um pequeno desvio da convocação de Israel para a renovação da aliança nos 10 primeiros versículos do capítulo 30.

Se este capítulo tivesse um nome, seria “Retorno e Restauração”. Os primeiros versículos de fato empregam uma repetição de várias formas da palavra hebraica shuv  שׁוּב que significa voltar.

Portanto, o tema de pelo menos a primeira metade do capítulo 30 é que, ss israelitas exilados retornarem a Deus, Deus os devolverá à Terra Prometida. Ss hebreus se afastarem de sua apostasia, Deus cessará Sua ira sobre eles.

Observe cuidadosamente algo no versículo 1 que enfatizei as duas últimas lições: o versículo emprega os termos “a bênção” e “a maldição”. Diz que Deus colocou diante de Israel dois caminhos diferentes; um que leva à bênção da lei outro que leva à maldição da lei.

A ênfase que tenho feito é tentar desfazer esta doutrina errônea da igreja que contaminou e poluiu tantas outras de nossas doutrinas; e essa falsa doutrina é que, quando Paulo diz qus crentes não estão mais sob a maldição da lei, ele quer dizer  que a maldição da Lei está bem definida na Bíblia como a consequência de violar a Lei, de se afastar de Deus, apostatar; a maldição não é a própria lei é a violação da lei.

O versículo 2 diz que esse arrependimento deve ser “de todo o coração e alma”, o que significa que eles devem ser sinceros e totalmente prontos para começar de novo sob os termos da aliança.

Há uma diferença substancial entr arrependimento de nossos caminhos pecaminosos e apenas uma percepção consciente de que estamos desobedecendo ao Senhor e, portanto, querendo alívio de uma situação ruim que nossa desobediência nos causou.

Há uma diferença ainda maior entre desejar uma mudança em todo o nosso ser traga um maior relacionamento com Deus focado na obediência, do que simplesmente querer que nossas difíceis circunstâncias mudem.

É claro que Israel exilado queria que suas circunstâncias de estrangeiros indesejados fossem mudadas (quem não queria isso?)

Mas essa esperança de mudança não suavizaria a posição do Senhor sobre Seu povo. Antes, eles tiveram que se afastar do caminho da maldade que escolheram e voltar a Ele.

Moisés diz que se um dos hebreus exilados estiver nos confins da terra (mais longe da Terra Prometida), que mesmo dali o Senhor irá trazer a pessoa de volta se eles se arrependerem. Mas esse mesmo tema não termina aí; Jesus também o emprega. Lucas 15:3 Então ele lhes propôs esta parábola: 4 qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa as noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida até que a encontre? 5 E achando-a, põe-na sobrs ombros, cheio de júbilo; 6 e chegando a casa, reúns amigos e vizinhos e lhes diz: Alegrai-vos comigo, porque achei a minha ovelha que se havia perdido. 7 digo-vos que assim haverá maior alegria no céu por um pecador que se arrepende, do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.  

O Senhor retornará qualquer pessoa que se desviar de seus pecados para o Reino de Deus. Ao examinarmos o padrão do AT. e do NT correspondente, eles mostram que, embora nenhum ser humano ou espiritual possa tirar a força alguém que é do Senhor, ele pode ter escolhido se afastar do Senhor e renunciá-Lo como seu Deus.

Ao mesmo tempo, se essa pessoa retomar seus sentidos, se arrepender e desejar um relacionamento novo e sincero com Deus, nos termos do pacto, então o Senhor desejará levá-lo de volta.

É por isso que Tiago, diz que se um irmão vai atrás de um irmão que se afastou da fé traz de volta, isso salvará esse irmão da morte eterna. Assim como o Senhor enviou Seus juízes e profetas para castigar Seu povo à medida que se aproximavam cada vez mais daquela linha na areia que só é visível a Deus

(aquela linha que uma vez cruzada destrói nosso relacionamento com Ele), depois de Israel cruzar essa linha, os profetas também exortaram o povo a se arrepender e voltar a Deus.

A partir do versículo 6, Moisés diz que é DEUS que abrirá seu coração coração de seus filhos para amar completament Senhor. Entenda a sequência; primeiro, há o desejo sincero de amar a Deus; depois, ele toma a ação de lidar com seu coração. (Coração = mente)

O que Deus revelou é que, em Sua providência divina, Ele permite que as nações se tornem iníquas e distantes d’Ele. Ele permite que as nações cresçam em ódio irracional ou ciúmes contra Israel. Ao mesmo tempo, Ele dá a Israel o livre arbítrio para escolher o caminho das bênçãos ou o caminho das maldições.

E quando Israel escolh caminho das maldições, Ele usa essa nação perversa para punir a menina dos seus olhos, PARA QUE ISRAEL SE arrependa e volte. Mas porque aquela nação era má Deus está perfeitamente justificado em trazer Sua ira contra eles por tratarem tão mal seu povo.

Paulo diz sobre isso:

Romanos 11:25 Porque não quero, irmãos, que ignoreis este mistério (para que não presumais de vós mesmos): qu endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado;  

26 e assim todo o Israel será salvo, como está escrito: Virá de Sião o Libertador, e desviará de Jacó as impiedades;  27 e este será o meu pacto com eles, quando eu tirar os seus pecados.  

 Deus está usando gentios hoje para trazer Israel de volta ao Reino de Deus. Os cristãos gentios trouxeram recentement evangelho para o povo judeu de maneira amorosa.

As nações gentias que se tornaram antissemitas, levaram o povo judeu para fora (e de volta) para o único lugar onde podem viver sob um governo judeu: a Terra Prometida, Israel.

Também as nações gentias que cercam Israel (muçulmanos) que querem aniquilar Israel, D’us os usou para levarem Israel para a Terra Prometida.

No versículo 11, Moisés volta aos trilhos depois de explicar qu retorno e a restauração são possíveis quando Israel cai; eles não precisam permanecer no exílio permanentemente. E ele retoma dizendo algo que contradiz outra doutrina cristã bastante comum.

Moisés diz qus termos da aliança, a Torá, a Lei NÃO é muito difícil para Israel cumprir. A Torá não é ininteligível, não é inacessível e não faz parte daquelas coisas ocultas de Deus. É revelado e, portanto, temos e devemos obedecê-lo.

Em um capítulo anterior, Moisés instruiu que no Monte Gerizim e Monte Ebal enormes pedras planas, rebocadas e depois escritas com as palavras da Torá.

A ideia aqui expressa é que, embora os sacerdotes e levitas sejam de fato mestres e administradores da Torá, eles não são a fonte da Lei nem os únicos capazes de compreender seu significado ou observar corretamente as leis s mandamentos.

Portanto, a Torá não é apenas conhecível, mas também está à mão, é factível e Deus espera que seja feito. Quantas vezes ouvi dizer que a razão pela qual a Nova Aliança foi instituída é porque a Aliança Mosaica era impossível de cumprir.

Errado. Bem aqui nos versículos 11-14 O Eterno, através de Moisés, diz explicitamente que a Lei NÃO é muito difícil de ser cumprida.

Portanto, diz o versículo 15, eis o resumo de tudo o que a Torá trata: por um lado, vida e prosperidade, e por outro, morte e adversidade. Vida e prosperidade são iguais às bênçãos da lei; morte e adversidade são iguais à maldição da lei.

Mas (e aqui está o segredo para viver a vida da Torá como D’us deseja), existem três ingredientes necessários para manter nosso relacionamento com o Senhor. O versículo 16 diz que esses três ingredientes são:

1) Ame seu Deus, (Confie em D’us)

2) Andes nos seus caminhos e (Viva de acordo com os princípios bíblicos)

3) guarde seus mandamentos,estatutos e juízos.(Tenha um relacionamento pessoal com Ele)

Deuteronômio 30 17 mas s teu coração se desviar, e não quiseres ouvir, e fores seduzido para adorares outros deuses, s servires,18 declaro-te hoje que certamente perecerás; não prolongarás os dias na terra para entrar na qual estás passando o Jordão, a fim de a possuíres.19 O céu e a terra tomo hoje por testemunhas contra ti de que te pus diante de ti a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência, 20 amando ao Senhor teu Deus, obedecendo à sua voz, e te apegando a ele; pois ele é a tua vida, prolongamento dos teus dias; e para que habites na terra qu Senhor prometeu com juramento a teus pais, a Abraão, a Isaque e a Jacó, que lhes havia de dar.

E no versículo 17 Moisés novamente adverte que conhecer a Lei, mas se afastar de Deus significa exílio. Misturar a adoração dutros deuses com a adoração ao Eterno significa exílio. Então, escolha a vida. É isso que significa quando diz no Novo Testamento que é vontade de Deus é que TODOS sejam salvos.

Ele está dizendo, ESCOLHA A VIDA!

Translate »