BO: VAI

Beit HaDerekh

Ex. 10:1-13:16,
Jr 46:13-28,
Mt 25:1-46

Estamos chegando ao fim das pragas, contra o Egito que o Pai ordenou, para que o Faraó concorde em libertar os hebreus de sua escravidão. Até agora, nada funcionou.

O coração do Faraó tornou-se progressivamente intransigente a medida que as calamidades invadiram o Egito pela mão do Senhor. Parte desse endurecimento do coração de Faraó veio do Eterno; parte veio da vontade de ferro do faraó.

Mas ficou evidente para o povo egípcio, bem como para o governo, que os hebreus eram de alguma maneira milagrosamente isentos das pragas.         

Poderíamos olhar para todas essas pragas contra o Egito, a água ensanguentada, o granizo, as bolhas de pele, as rãs, os piolhos e imagina-las nos dias de hoje. Se o Senhor estivesse fazendo isso em nossos dias, elas seriam tão devastadores quanto há 3000 anos atrás.

Imagine se nossa água potável fosse contaminada em uma escala universal; centenas de milhões morreriam apenas com esta água.

Veja o que as chuvas causaram em Minas .Veja o que o furacão Katrina fez em New Orleans e áreas próximas e como afetou toda a economia.

Enquanto aguardamos ansiosamente o cenário do fim dos tempos, somos informados pela Biblia desses eventos cataclísmicos que atingirão a humanidade; eu vejo muitos querendo transformar a visão dos profetas de D’us, descrevendo esses eventos como Guerra Estrelas.

De fato, nada que o homem tenha inventado ou possa inventar pode se aproximar do poder de uma única tempestade criada pelo Eterno.

Certamente, podemos dizer que era apenas a natureza fazendo isso no Egito, e certamente será a natureza fazendo essas coisas nos últimos dias; mas não se engane, tudo acontece sob o comando de D’us.

Como você pode ver até agora, precisamos descobrir os padrões de D’us e como Ele lida com o homem.

Alguns modernos estudiosos da Bíblia, vêm as pragas como contos de fantasia, e dizem que as 9 pragas no Egito eram simbólicas.

Os estudiosos convencionais tomam as pragas do Êxodo, como literais. É interessante que esses mesmos estudiosos que consideraram a praga do Êxodo como literal, considerem as contagens apocalípticas de selos e julgamentos como simbólicas e NÃO literais.

A maioria dos julgamentos do Apocalipse usa os mesmos elementos naturais, apenas mais amplificados e espalhados do que Êxodo.

Granizo, insetos, escuridão, bolhas, oceanos e rios se tornando sangue e vida marítima morrendo; tudo isso aconteceu no Êxodo, como acontecerá no Apocalipse.

E existem esses julgamentos do Apocalipse que não estão nas pragas do Êxodo, mas que ainda vão ocorrer naturalmente: terremotos, estrelas explodindo e meteoros entrando na atmosfera.

Eu apenas trago isso para fechar o círculo desse conceito que estou ensinando a você;

que os padrões e princípios de D’us são repetidos ao longo da história para nos ensinar e nos alertar e continuarão até o fim dos tempos.

Vemos esses mesmos padrões de D’us em Apocalipse, exatamente como foram originalmente estabelecidos na Torá. com as mesmas características para mostrar como os julgamentos são cumpridos.

Eu sei que muitos de vocês estão interessados ​​em profecias do fim dos tempos, portanto, certifique-se de que, ao ler sobre esses fenômenos incríveis e destrutivos em Apocalipse, eles estão exatamente com a mesma essência dos relatos de Êxodo.

E você DEVE interpretar literalmente, porque essas coisas aconteceram antes, literalmente; esta é a maneira como D’us lida consistentemente com a humanidade em geral, e com Seu próprio povo.

Êxodo 10:1,2  Depois disse o SENHOR a Moisés: Vai a Faraó, porque tenho endurecido o seu coração, e o coração de seus servos, para fazer estes meus sinais no meio deles,E para que contes aos ouvidos de teus filhos, e dos filhos de teus filhos, as coisas que fiz no Egito, e os meus sinais, que tenho feito entre eles; para que saibais que eu sou o Senhor.

O capítulo 10 começa com outra instrução de D’us para Moisés dar a Faraó,lembrando que  Ele endureceu o coração de Faraó com um propósito divino: que todos esses milagres, sinais, acontecerão e serão vistos e lembrados entre os hebreus de geração em geração.

Esse mandamento é à base do Hagadá da Páscoa (הַגָּדָה,“Texto usado Contar uma historia”), quando nós recontamos a história Biblica,de geração em geração durante  Pessach o espírito da mensagem não será perdido e não irá virar chocolate nem coelho.

Participamos da ceia de páscoa para torná-la “a nossa própria história”, uma parte do que somos. “Todos nós devemos  considerar termos sido pessoalmente resgatado do Egito”. Recontando a história do êxodo irá fortalecer a nossa fé e“conhecer  mais sobre o “Eu sou” o nosso Eterno que veio a terra como homem Yeshua para nos salvar.

D’us usou o Egito para o bem-estar de Israel. Às vezes, esse conceito não é entendido; D’us mostra favor a um sobre o outro, e permite que um seja destruído, a fim de salvar outro.

Nesse caso, os egípcios pagarão um preço alto para que se cumpra os propósitos de D’us.

D’us manterá o coração de Faraó, endurecido para cumprir Seus propósitos. Às vezes ouço falar que não é justo que D’us faça essas coisas.

Suponho que, alguns acreditam que como poderão se sentar para julgarem juntamente com D’us, tem o direito de debater sobre a justiça DELE.

Não é necessário defendermos as decisões de D’us. Suas leis e mandatos são o que são e são perfeitos, e tudo o que precisamos saber é o que são e não necessariamente por que são.

Você foi criado com a crença de que todas as decisões de D’us são para seu benefício? Sinto te dizer elas não são. As decisões de D’us são planejadas para cumprir os propósitos do Eterno para o benefício de Seu Reino.

Não para o nosso bem-estar pessoal, individual ou terreno. Nossa felicidade, conforto, sucesso são completamente secundários ao propósito divino de D’us trazer Seu Reino.

Em Êxodo 10:4-6.  Porque se ainda recusares deixar ir o meu povo, eis que trarei amanhã gafanhotos aos teus termos.E cobrirão a face da terra, de modo que não se poderá ver a terra; e eles comerão o restante que escapou, o que vos ficou da saraiva; também comerão toda a árvore que vos cresce no campo;E encherão as tuas casas, e as casas de todos os teus servos e as casas de todos os egípcios

Moisés anunciou ao Faraó que se ele não libertar seu povo HOJE, que amanhã o Egito será atingido por uma praga de gafanhotos.E, a terra será coberta deles, e esses insetos vão encontrar uma maneira de entrar nas casas das pessoas.

Em Êxodo 10:10,11 Então ele lhes disse: Seja o Senhor assim convosco, como eu vos deixarei ir a vós e a vossos filhos; olhai que há mal diante da vossa face. 11 Não será assim; agora ide vós, homens, e servi ao Senhor; pois isso é o que pedistes. E os expulsaram da presença de Faraó.

Ele diz que só deixará homens sair mas mulheres, crianças e gado devem ficar. Essa foi sua resposta final, e Moisés e Arão foram expulsos.

Os gafanhotos cobriram toda a terra e a terra se escureceu. Faraó chama Moisés e Arão e faz o mesmo que fez antes: confessa que pecou contra D’us. Mas, desta vez, pede perdão. Mas esse não foi um arrependimento genuíno.

Era apenas o uso de todos os meios necessários, para remover a terrível praga. Mas, no momento em que Eterno inverte o vento manda os gafanhotos de volta, o coração de Faraó endurece e se recusa a libertar Israel.

Acredita-se que neste momento D’us endureceu o coração de Faraó de maneira irreversível. O versículo 21 traz a nona praga, a terceira praga do terceiro conjunto de pragas :  Escuridão

Êxodo 10:21 Então disse o Senhor a Moisés: Estende a tua mão para o céu, e virão trevas sobre a terra do Egito, trevas que se apalpem.

A escuridão é um anúncio da morte final, ou morte espiritual. Esta é uma escuridão que não é apenas vista, mas é tão espessa que podia ser tocada. Êxodo 10:23  Não viu um ao outro, e ninguém se levantou do seu lugar por três dias; mas todos os filhos de Israel tinham luz em suas habitações.

Por favor, preste atenção, olha o que D’us fez aqui, Ele também fez na Criação: Ele separou e dividiu as trevas da luz. Havia trevas sobre o Egito; mas para o Seu próprio povo havia Luz.  Êxodo 10:21  . Então disse o Senhor a Moisés: Estende a tua mão para o céu, e virão trevas sobre a terra do Egito, trevas que se apalpem.

Não podemos ignorar quatro pequenas palavras: trevas que se apalpem.

Os egípcios sentiram a escuridão, os israelitas sentiram a luz. Como alguns sentem a escuridão e outros sentem a luz?

Você se lembra da nossa primeira lição da Torá, que descobrimos que quando D’us criou a luz em Gn 1:3, era diferente das luzes usadas para criar luzes visuais, que ocorreram em Gn1:14 ?.

 וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים, יְהִי אוֹר; וַיְהִי-אוֹר. 3 And God said: ‘Let there be light.’ And there was light.   כג  לֹא-רָאוּ אִישׁ אֶת-אָחִיו, וְלֹא-קָמוּ אִישׁ מִתַּחְתָּיו–שְׁלֹשֶׁת יָמִים; וּלְכָל-בְּנֵי יִשְׂרָאֵל הָיָה אוֹר, בְּמוֹשְׁבֹתָם. 23 they saw not one another, neither rose any from his place for three days; but all the children of Israel had light in their dwellings.
יד  וַיֹּאמֶר אֱלֹהִים, יְהִי מְאֹרֹת בִּרְקִיעַ הַשָּׁמַיִם, לְהַבְדִּיל, בֵּין הַיּוֹם וּבֵין הַלָּיְלָה; וְהָיוּ לְאֹתֹת וּלְמוֹעֲדִים, וּלְיָמִים וְשָׁנִים.   14 And God said: ‘Let there be lights in the firmament of the heaven to divide the day from the night; and let them be for signs, and for seasons, and for days and years;

A palavra usada para “luz” que permanecerá sobre todo Israel em Gósen, em Êxodo 10, versículo 23, é exatamente a mesma palavra que D’us usou em Gênesis 1: 3. A palavra é “or” e significa  “iluminação”.Bem em vez de mal. A verdade em vez da mentira. É Quando vc ouve de D’us, recebe luz espiritual, iluminação.

Quando você acende uma lâmpada, obtém luz visual, o tipo de luz de que falamos em Gênesis 1:14. (moort)

Você consegue ver a diferença?

Bem, conversamos sobre a luz sobre os hebreus, então que tipo de “escuridão” havia sobre os egípcios? Novamente, a mesma palavra hebraica usada em Gênesis para descrever o oposto de iluminação.

 “owr”, Ex 10: 22 ou 21 ou 23

כב  וַיֵּט מֹשֶׁה אֶת-יָדוֹ, עַל-הַשָּׁמָיִם; וַיְהִי חֹשֶׁךְ-אֲפֵלָה בְּכָל-אֶרֶץ מִצְרַיִם, שְׁלֹשֶׁת יָמִים. 22 And Moses stretched forth his hand toward heaven; and there was a thick darkness in all the land of Egypt three days       Gn 1:4   וַיַּרְא אֱלֹהִים אֶת-הָאוֹר, כִּי-טוֹב; וַיַּבְדֵּל אֱלֹהִים, בֵּין הָאוֹר וּבֵין הַחֹשֶׁךְ. 4 And God saw the light, that it was good; and God divided the light from the darkness    

A palavra é choshekh’-afelah. E isso significa escuridão, mas não como a da noite, mas sim uma luz muito negativa. Um tipo de escuridão que elimina o bem. Uma espécie de escuridão que leva o homem ao mal.

O mesmo termo usado no início de Gênesis, quando D’us cria uma distinção entre a luz versus escuridão, é usado aqui no Êxodo para descrever a condição do Egito, a escuridão, o oposto da condição de Israel, iluminação.

Que tipo de circunstância poderia tornar a escuridão visual tão densa? Ficar sem a luz do sol, ou a luz da lua, não teria criado a escuridão descrita aqui. Os egípcios, sabiam lidar com a noite; eles tinham lâmpadas a óleo, fogueiras e tochas .

A idéia de que ninguém “pudesse se mudar de seu lugar”, de que eles nem podiam se mover, não reflete uma experiência noturna típica.

A escuridão espiritual, o mal que os cobria era como um lençol que você não vê nada de ruim ou perigoso mas pode sentir. Este foi um momento de terror para o Egito. Mas, na mesma terra, os israelitas estavam comemorando com alegria.

A nona praga de Êxodo é como a ironia deste mundo hoje; onde aqueles que têm Yeshua estão cobertos pela luz de D’us mas vivemos no mesmo espaço e respiramos o mesmo ar que a maioria do mundo sob uma camada de escuridão.

Ao mesmo tempo em que podemos chorar por aqueles que são escravos das trevas, podemos e devemos celebrar que a iluminação de D’us está sobre nós e sobre todos que n’Ele confiam.

Observe que SOMENTE Israel recebeu a luz. Hoje não é diferente. Os que não são israelitas de nascimento, através de Yeshua, foram UNIDOS aos convênios de Israel. Os benefícios de pertencer a Israel foram estendidos.

Então, o Faraó envia um chamado urgente a Moisés; e diz, que se Moisés fizer D’us parar as trevas, todo Israel pode partir, homem, mulher, menina, menino, jovem e velho mas seu gado deve permanecer no Egito.

Moisés recusa a oferta e diz que todos tem que sair.

Eles não foram informados claramente pelo Senhor se deveriam sair com tudo ou poderiam deixar alguma coisa para trás. Portanto, a única coisa que eles podiam fazer é levar todas as pessoas e todos os bens para o deserto, apresentá-los diante de D’us e ver o que D’us diz.

Você percebeu isso? Aqui está outro princípio permanente de D’us. Devemos submeter a ELE tudo o que temos e tudo o que somos.

Nós mesmos, nossas famílias, todas as  posses, porque não podemos saber sempre com clareza o que Ele exige de nós.

Devemos avançar com fé e confiança. Tudo é dele para ele usar como bem entender. Preste atenção:

Tudo que os israelitas deixassem para trás estaria sob o comando de Faraó e deveriam permanecer em escravidão, por isso Moisés teve que recusar.

Tudo o que deixamos para trás, mas ainda possuímos; tudo o que não levamos conosco para apresentar a D’us, quando nos aproximamos da cruz, permanece no Egito … permanece em escravidão e servidão e, portanto, não está disponível para servir a D’us.

D’us deixou claro que TODOS nós e TUDO que possuímos devem ser apresentados diante d’Ele, quando entregamos nossas vidas a Ele.

Nem Moisés nem Faraó cederão; Moisés não sairá sem o gado, e o faraó não deixará Israel sair com o gado. O faraó ordena que Moisés deixe sua presença e nunca mais volte. Porque se ele se aproximar  será morto.

O faraó, em suas próprias palavras, selou o destino de seu povo. Não haverá mais oportunidades de fugir do julgamento. D’us não luta para sempre com o homem.

Acabou e não sabemos com antecedência exatamente qual é o dia ou a hora. Mas quando termina, quando D’us decide nos entregar ao nosso próprio mal, toda a esperança de salvação desaparece para sempre. Algo muito alarmante mas terrivelmente verdadeiro.(CAPITULO 11)

O que veremos nos capítulos 11 e 12 é julgamento. O que é julgamento? É o momento em que recebemos o que merecemos, de acordo com o sistema juridico de D’us. Na Bíblia, o julgamento quase sempre resulta em uma conseqüência negativa.

Todos nós, os salvos os não são salvos, somos julgados. Se formos salvos NÃO seremos condenados, se não formos salvos, seremos condenados.

O Faraó e o Egito tiveram 9 oportunidades de aceitar a vontade de D’us e obedecê-Lo. Este décimo golpe no Egito não é outro aviso, ou outra oportunidade para o Faraó e o Egito se arrependerem, o tempo dos avisos já passou.

Essa 10º praga é o mesmo que acontece quando morremos, e então estamos diante de D’us. Alguns viverão para sempre nas trevas (choshekh’-afelah) Outros viverão para sempre na luz (“owr”).

A partir dessa condição, seja clara ou escura, não haverá mais mudança, não haverá mais oportunidade de mudança por toda a eternidade.

Êxodo 11:1 E o Senhor disse a Moisés: Ainda uma praga trarei sobre Faraó, e sobre o Egito; depois vos deixará ir daqui; e, quando vos deixar ir totalmente, a toda a pressa vos lançará daqui.

Preste atenção nestes dois textos:

וַיֹּאמֶר יְהוָה אֶל-מֹשֶׁה, עוֹד נֶגַע אֶחָד אָבִיא עַל-פַּרְעֹה וְעַל-מִצְרַיִם–אַחֲרֵי-כֵן, יְשַׁלַּח אֶתְכֶם מִזֶּה:  כְּשַׁלְּחוֹ–כָּלָה, גָּרֵשׁ יְגָרֵשׁ אֶתְכֶם מִזֶּה. 1 And the LORD said unto Moses: ‘Yet one plague more will I bring upon Pharaoh, and upon Egypt;……r.


Êxodo 11:4
:Disse mais Moisés: Assim o Senhor tem dito: À meia-noite Eu sairei pelo meio do Egito;


ד
  וַיֹּאמֶר מֹשֶׁה, כֹּה אָמַר יְהוָה:  כַּחֲצֹת הַלַּיְלָה, אֲנִי יוֹצֵא בְּתוֹךְ מִצְרָיִם.
4 And Moses said: ‘Thus saith the LORD: About midnight will I go out into the midst of Egypt;

Ouvi professores da Bíblia dizerem que foi o “anjo da morte” que matou os primogênitos egípcios. E não foi assim. Foi o próprio Yehová quem tirou todas aquelas vidas.

Como, exatamente, aconteceu, não sabemos, exceto que foi a mão do D’us  Todo-Poderoso que terminou com a vida dos primogênitos.

Em Ex 11:1 diz que Yehová, não o Senhor, Adonai ou Malach Adonai, ou qualquer outra coisa. Yehová diz: “Vou trazer mais uma praga.” E em Ex 11:4 diz: “… Yehová diz, …a meia-noite eu sairei  e matarei todos os primogênitos do Egito.

E, após esse julgamento terrível, D’us diz que AGORA Faraó os deixará ir mas, antes que Israel saia, eles devem pedir ao Egito que lhe dê ouro e prata.

Êxodo 11:2 :Fala agora aos ouvidos do povo, que cada homem peça ao seu vizinho, e cada mulher à sua vizinha, jóias de prata e jóias de ouro.

Êxodo 11:3  E o Senhor deu ao povo graça aos olhos dos egípcios; também o homem Moisés era mui grande na terra do Egito, aos olhos dos servos de Faraó e aos olhos do povo.

E eles receberão tudo o que pedirem porque os hebreus encontraram graça aos olhos dos egípcios e viram que Moisés era um grande homem.

Não devemos ignorar o que está por trás dessa decisão de D’us de esmagar o Egito com essa devastação natural e depois tomar os despojos de ouro e prata.

 D’us nos lembra:  Êxodo 11:7 para que saibais que o Senhor fez diferença entre os egípcios e os israelitas.

Continuamos a ouvir isso repetidamente na história das pragas, certo? D’us faz uma distinção entre Israel e Egito. Quando D’us continua nos lembrando de algo, é melhor prestar atenção.

Portanto, NUNCA pense que essa separação de Israel do resto do mundo é um assunto menor ou distante, ou que se tornou obsoleto.

Lembre-se, de uma perspectiva bíblica, o Egito, que é real e tangível, representa o mundo em geral, todos aqueles que NÃO se juntaram a Israel. Até este dia e até o fim dos tempos, D’us verá o mundo como dois povos apenas: Israel e os outros.

E Como fica os crentes gentios? Com Israel, como parte de Israel. Esta é uma boa razão para seguir as instruções de D’us e abençoar Israel e seu povo. Desde que estão abençoando Israel, também estarão abençoando a si mesmos.

Rm 9,10,11 aborda isso em detalhes, mas pode ser resumido em:

 Romanos 11:17-22 : E se alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles, e feito participante da raiz e da seiva da oliveira,Não te glories contra os ramos; e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz a ti.Dirás, pois: Os ramos foram quebrados, para que eu fosse enxertado.
Está bem; pela sua incredulidade foram quebrados, e tu estás em pé pela fé. Então não te ensoberbeças, mas teme.
Porque, se D’us não poupou os ramos naturais, teme que não te poupe a ti também.
Considera, pois, a bondade e a severidade de D’us: para com os que caíram, severidade; mas para contigo, benignidade, se permaneceres na sua benignidade; de outra maneira também tu serás cortado.

Em outras palavras, um crente gentio é enxertado nos convênios(alianças)de Israel pois o Eterno separou Israel do resto do mundo.

D’us NÃO deu seus convênios aos gentios. Os convênios eram APENAS para Israel Os crentes gentios são enxertados nos convênios de Israel através de Yeshua.

Não, não estou dizendo que quando você é salvo, você se torna judeu. Existem judeus físicos e gentios físicos. Pelo julgamento de D’us, nenhum um judeu físico ou gentio físico pertencem automaticamente ao verdadeiro Israel ou como Paulo o chama, o Israel de D’us.

Somente aqueles judeus e gentios que confiam em Yeshua. Estou dizendo que há uma perspectiva terrena, física e carnal de um lado; e há uma perspectiva espiritual e celestial do outro lado.

Salvação, libertação, afeta APENAS a perspectiva espiritual, não a perspectiva física. D’us não veio para salvar nossa carne; Ele veio para salvar nossa alma eterna.

O que temos que aprender que D’us fez uma distinção entre Israel e o resto do povo, entre Israel e os egípcios. Este princípio fundamental é muito importante. Israel foi separado para ser um povo especial de D’us.

Quando a igreja usa a palavra”santificação” isto significa “separado” para D’us. E isso NÃO é uma distinção do Antigo Testamento que foi cancelada. Também no Novo Testamento Jesus NÃO acabou com essa distinção entre Israel e o mundo.

Ele era judeu, israelita e fez questão que todos soubessem disso. Ele forneceu uma maneira NOVA e duradoura para a multidão ser participante ao serem enxertados e se  tornarem Israel.Através do seu próprio sangue.

Mas não entenda mal; mesmo a Nova Aliança não era uma aliança entre D’us e os gentios; Foi uma aliança com Israel. Agora, vamos passar para 30 anos depois de Cristo.

Estamos em Jerusalém em Pessach. Yeshua acabou passando a Páscoa na companhia de Seus 12 discípulos na noite anterior e agora está sangrando e sofrendo com a execução.

Mesmo no céu, uma grande alegria estava acontecendo, uma vez que fomos salvos. Vamos avançar novamente, agora 2000 anos da paixão de Cristo, até hoje.

Nosso mundo está ficando cada vez mais sombrio. Espiritualmente, o nosso planeta está se tornando rebelde e muitos estão sob trevas espirituais.

É difícil não se sentir sem esperança, se desesperar e estar confuso ao ver o mundo dessa maneira. Mas, qual deve ser a reação daqueles que foram separados para D’us? A mesma que os israelitas no Egito, que vemos em Êxodo; celebração.

Embora aqueles que não conhecem a D’us estejam nas trevas e prestes a experimentar a morte espiritual eterna, nós que conhecemos a D’us e vivemos na Sua luz, e estamos prestes a experimentar a libertação na luz eterna temos que celebrar.

Devemos viver durante esses últimos dias,mesmo o mal se revelando a níveis mais profundos, é celebrando a nossa libertação final e completa e orar por aqueles que não estão debaixo da luz.

Embora, nossa alegria também seja agridoce,pois temos amigos, e familiares que tomaram a decisão de se juntar ao mundo e as trevas, temos que saber que até que Yeshua reine na Terra, luz e trevas, vida e morte, governarão simultaneamente.

 Curiosidade: O livre arbítrio de Faraó

A porção da Torá desta semana, Bo, fala das últimas três pragas que caíram sobre o Egito, começa com D’us ordenando a Moisés que vá ao faraó para adverti-lo da próxima praga de gafanhotos. D’us, no entanto, declara que faraó não dará atenção ao aviso: “Pois Eu endureci seu coração… para que vocês digam nos ouvidos de seu filho e dos filhos de seu filho aquilo que Eu fiz no Egito.”Ex:10:1

Disso aprendemos que os gafanhotos não vieram como punição pela recusa do faraó em considerar o aviso: D’us tinha endurecido seu coração para que ele fosse incapaz de concordar com a libertação dos judeus.

Mas não é injusto D’us punir faraó com uma praga, quando o Próprio D’us impediu que ele aceitasse o pedido de Moisés?

O Talmud explica que durante as cinco primeiras pragas, faraó tinha livre arbítrio; ele poderia ter permitido que os judeus partissem.

Foi somente depois que o faraó se rebelou contra D’us “Quem é D’us, para que eu deva ouvir Sua voz?”EX5:2 – que seu livre arbítrio lhe foi tirado.

Esta punição claramente é por causa do crime de faraó que questionou a autoridade de D’us e vangloriou-se de seu próprio poder, portanto foi demonstrado a ele que não tinha mais o poder de tomar suas próprias decisões. Faraó foi então totalmente subjugado à vontade de D’us.

Mesmo com estas explicações, ficamos ainda com um problema. Por que Moisés e Aharon tiveram que emitir uma advertência formal se eles sabiam que não havia chance de faraó ceder?

Está explicado no Tanya, a obra primordial da filosofia Chabad, que mesmo uma pessoa tão mergulhada no mal pode se superar e encontrar seu caminho de volta à integridade. Até o mais corrupto e abominável pecador pode voltar a D’us.

Se o faraó, totalmente egoísta e perverso e privado de seu livre arbítrio, fizesse um supremo esforço para superar o endurecimento de seu coração, teria impedido as pragas finais de cair sobre seu país,então, muito mais ainda é possível para cada um dominar os traços negativos de seu caráter.