Parashá Shelach Lechá (Envie por Ti mesmo)  שלח לך

Beit HaDerekh

Parashá Shelach Lechá (Envie por Ti mesmo)  שלח לך

Compartilhe -

במדבר   Bamidbar    Nm. 13:1-15:41,
יהושע  Yĕhôshúa   Js 2:1- 2:24
Haftará: Josué 2:1-24

Nossa Parashá começa com o Eterno aceitando a decisão dos hebreus para explorarem a terra de Canaã e com Moises enviando os 12 espias, ou     melhor, exploradores, um Nasir  נָסִיךְ – Líder de cada uma das doze tribos ate a terra de Canaã para trazer de volta um relatório.

Um Midrash (comentário rabínico) sobre os espiões sugere que os filhos de Israel – B’nei Israel subitamente ficaram temerosos com a perspectiva de deixar o Sinai para a conquista da Terra Prometida. Afinal, as sete nações Canaanitas que viviam lá tinham uma reputação de serem violentas , maléficas e extremamente depravadas.

Portanto foram eles que pediram Moises para enviar os expias, para avaliar a terra e a resistência do inimigo.
Daí a palavra hebraica Shelach Lechá – Envia por ti ou pela ‘sua própria conta’, em outras palavras, ‘façam o que vocês querem’.

Moisés muda o nome de Hoshea – Oséias הושׁע (‘Salvar’) antes de enviar-lo a sua missão. O novo nome agora era Yehoshua – Josué יהושׁע (Yah Salva) acrescentando o Yud no seu nome, para fazer com que seu nome comece com o nome de D´us, Yah.·.

No Talmud nossos Rabinos ensinaram que; Moisés previa a infidelidade e a falta de fé dos expIoradores e mudou o nome de Oséias para Josué para lembrar-lhe que o Eterno deve vir sempre primeiro (Talmud Sotah 34b)

O nome Yeshua (O Eterno Salva) é uma contração do nome Yehoshua (O Eterno Salva), está contração do nome ocorreu após o exílio babilônico.

Veja Números 13:1 – 2, Disse Adonay a Moises; Envia homens que (Le’Tur) observem a terra de Canaã, que eu hei de dar aos filhos de Israel.De cada tribo de seus pais enviarás um homem. Sendo cada qual chefe entre eles.

A Torah usa o verbo, L’TUR  לָתוּר  [Números 13:2, 17, 25]. Significando “para explorar,” – ‘para observar, . ’ Este verbo, L’Tur, ocorre 12 vezes neste capítulo e mais 10 vezes em todo o Tanach (escrituras sagradas). Daí a origem da palavra latina Turismo ou fazer ‘um Tur’.

A palavra Hebraica para Espião [מרגל] Miraguel, não é encontrada nesta Parashá. Então os homens enviados por Moises devem ser chamados de Exploradores, e não de espiões; os dois termos não são sinônimos.

A primeira vez que a palavra Hebraica Le’Ragel (לרגל) Espionar foi usado, foram 40 anos mais tarde na história de Josué e na preparação da batalha de Jerico. Quando os espiões são enviados. Josué 2:1

Os doze exploradores:
Se fossem espiões não haveria nenhuma razão para divulgar seus nomes e também Moises não enviaria líderes tribais e sim guerreiros.

Números 13: 1Então disse o Senhor a Moisés: 2Envia homens que espiem a terra de Canaã, que eu hei de dar aos filhos de Israel. De cada tribo de seus pais enviarás um homem, sendo cada qual príncipe entre eles.

 A missão:
Números 13: 17Enviou-os, pois, Moisés a espiar: a terra de Canaã, e disse-lhes: Subi por aqui para o Negebe, e penetrai nas montanhas; 18 e vede a terra, que tal é; e o povo que nela habita, se é forte ou fraco, se pouco ou muito; 19 que tal é a terra em que habita, se boa ou má; que tais são as cidades em que habita, se arraiais ou fortalezas; 20 e que tal é a terra, se gorda ou magra; se nela há árvores, ou não; e esforçai-vos, e tomai do fruto da terra. Ora, a estação era a das uvas temporãs.

Isto explica porque era necessário enviar representantes superiores de cada tribo era um relatório detalhado.

As instruções de Moises aos exploradores envolviam muitas coisas:

* Era para entrar no Negev, região sul do deserto, e então nos montes fora do deserto como quem vai para o norte.
* Era para avaliar a força dos povos, incluindo suas forças militares e número.
* Era para descobrir se as cidades eram vilas não muradas, ou cidades fortificadas.
* Era para ver se a terra era arável, e se era apropriado para colheitas, incluindo os pomares.
* Já que era a época do ano que as uvas estavam maduras (que seria provavelmente final de julho, a agosto), foram instruídos para trazer os produtos que encontraram como prova de que a terra fosse de fato, capaz de sustentar colheitas abundantes.

No dia 9 do mês de Av, após 40 dias de observação da Terra Prometida, os observadores retornaram para o acampamento carregando um enorme cacho de uvas, uma romã gigante e um enorme figo.

O erro:
Os filhos de Israel cometeram dois erros muito comuns:

  • 1* Não conseguiram ver que possuir a terra era um ato de fé (fidelidade, confiança em D’us). Os 10 espias foram pessimistas (realistas). Mas o pessimismo deles contagiou todo o povo, cegando-os para a realidade da aliança, e os mantendo na realidade dos comentários humanos. (Se você não ver o sobrenatural de D’us não haverá milagres na sua vida.)
  • 2* Não apreciaram as bênçãos que D’us tinha prometido se obedecessem a seus mandamentos (Mitzvot).

Não havia nenhuma dúvida que a terra estava possuída por nações com exércitos formidáveis e cidades fortificadas, e alguns de seus guerreiros diziam que eram descendentes de Nefilins.

É mais provável que os “filhos de Deus” foram homens tementes a Deus que se casaram com mulheres que não temiam a Deus, que provavelmente os desviaram de seus bons caminhos. Seus filhos se tornaram poderosos e famosos, talvez por causa da mistura de bons valores (determinação, lealdade, trabalho árduo…) com maus valores (crueldade, violência…). Mas isso é só especulação, a Bíblia apenas diz que eram heróis, sem explicar porquê. A Bíblia diz que os anjos são seres espirituais que não se casam nem têm relações sexuais (Marcos 12:25; Hebreus 1:14). Os demônios também não têm corpo físico. Não nos esqueçamos que todos morreram no dilúvio.

Os problemas e as dificuldades eram reais, os 10 exploradores eram realistas, porem os mesmos não eram realistas em relação à D’us, não olharam para a realidade do que D’us já havia feito por eles e o que já havia prometido fazer por eles.

Cometeram Lashon HaRá ao reportar todo o pessimismo em relação à Terra, na verdade contra o próprio D’us, pois era como se tivessem reportado que o povo da terra era maior do que as promessas do Eterno.

O pessimismo é uma das grandes barreiras construídas por nós mesmos que nos impendem de caminhar nas benções e nas promessas de D’us. (Nm14: 2)

A fé move-se adiante na base da fidelidade de D’us, não em nossas próprias forças e habilidades, ou na ‘realidade’.

A nossa fé verdadeira descansa na habilidade de D’us em fazer aquilo que prometeu, não obstante à nossa frente existem barreiras intransponíveis.

A realidade depende do ponto de vista do observador, então a Fé do observador muda a perspectiva da realidade .

Alem disso; Nós nunca podemos dizer que nós acreditamos ou temos fé em D’us, se nós não nos submetemos a Sua Torá. A Torá é o relatório da nossa condição interna, para que possamos fazer os reajustes necessários.

E a Torá aponta para o Messias, e rejeitar a Torá é rejeitar o Messias, que por fim é rejeitar o próprio D’’us. Pois D’us é um.
“Shema Israel Adonai Eloheinu  Adonai Echad”

O espírito de Kalev
Veja Números 13:6 ‘… da tribo de Judá, Kalev o filho de Jefuneh’. Kalev foi um dos doze espias que entraram em Canaã.

Assim, a sua origem pode ser decomposta em dois termos: “Kol”, que significa “tudo” ou “todo”; e “Lev”, que significa “coração”. Daqui extrai-se que “Kalev”, no seu sentido mais  profundo, significa “de todo o coração”.

Foi líder da tribo de Judá. Note que ele não era Judeu. Ele era um gentio converso ao D’us de Israel e líder da tribo de Judá!

‘Jefuneh’ não é um nome hebreu. De que tribo o seu pai veio?

As escrituras dão a resposta. Está em Josué 14:6,
Chegaram os filhos de Judá a Josué em Gilgal; e Calebe, filho de Jefoné, o Quenezeu, lhe disse: Tu sabes o que  Adonay falou a Moisés, homem de D’us, em Cades-Barnéia, a respeito de mim e de ti.

De onde a tribo Quenezeu veio?  Gêneses 15:18-21,

18 Nessa mesma ocasião o Eterno fez uma aliança com Abrão. Ele disse: – Prometo dar aos seus descendentes esta terra, desde a fronteira com o Egito até o rio Eufrates, 19 incluindo as terras dos Queneus, dos Quenezeus, dos Cadmoneus, Gênesis 15:20 dos Heteus, dos Perizeus, dos Refains, 21 dos Amorreus, dos Cananeus, dos Girgaseus e dos Jebuseus.

Resposta: das tribos do Canaanitas

Um espírito diferente: Números 14
24 Mas o meu servo Calebe, porque nele houve outro espírito, e porque perseverou em seguir-me, eu o introduzirei na terra em que entrou, e a sua posteridade a possuirá. 25Ora, os amalequitas e os cananeus habitam no vale; tornai-vos amanhã, e caminhai para o deserto em direção ao Mar Vermelho.  

Na Torah inteira, só há duas pessoas chamados desta maneira – Servo de D’us Moisés e Kalev.

Em Números 13:30, Então, Kalev fez calar o povo perante Moisés e disse: Eia! Subamos e possuamos a terra, porque, certamente, prevaleceremos contra ela.

As palavras de Kalev são importantes. Isto não significa que a sua confiança estava nele mesmo ou no povo.
Kalev mostrava nestas palavras da onde sua perspectiva da realidade vinha, ela vinha da confiança firme na Aliança de D’us,

Os outros homens viram só as dificuldades e foram vencidos pelos problemas, pelo pessimismo.Mas Kalev e acima de tudo lembrou o povo do poder de D’us. Kalev atuou de um modo definido e rápido para derrotar o medo. A fé e a confiança no D’us dos impossíveis. (Se você esta angustiado….)

Durante quarenta anos que vaguearam no deserto, ele via que um dia voltariam à terra da promessa.
Na idade de oitenta e cinco anos, Kalev volta às margens do que seria a terra do povo de Israel. Hebron foi concedido a Kalev como despojo da guerra. Kalev herdou o que o D’us lhe tinha prometido porque sua fé nunca falhou.

Números 16:10,
Mas toda a congregação disse apedreja-os. Então a gloria de Adonay apareceu na tenda da reunião diante de todos os filhos de Israel

Enquanto o povo se levantou e declarou apedrejamento para Josué e Kalev, O Eterno apareceu e declarou suas defesas e seus destinos.

Moises intercede pelo povo:

Êxodos 34:6-7
6Tendo o Senhor passado perante Moisés, proclamou: Jeová, Jeová, Deus misericordioso e compassivo, tardio em irar-se e grande em beneficência e verdade; 7que usa de beneficência com milhares; que perdoa a iniqüidade, a transgressão e o pecado; que de maneira alguma terá por inocente o culpado; que visita a iniqüidade dos pais sobre os filhos e sobre os filhos dos filhos até a terceira e quarta geração.    8Então Moisés se apressou a inclinar-se a terra, e adorou, 9dizendo: Senhor, se agora tenho achado graça aos teus olhos, vá o Senhor no meio de nós; porque este é povo de dura cerviz:; e perdoa a nossa iniqüidade e o nosso pecado, e toma-nos por tua herança.

Está passagem é entoada no Serviço religioso (culto) de Yom Kipur ate os dias de hoje nas Sinagogas.
Praticar compaixão é, portanto umas das qualidades do Coração’

Veja Provérbios 11:27;

Quem procura o bem (dos outros) alcança favor de D’us, mas o que procura o mal (para os outros), este mal lhe sobrevirá. ’

Nossos sábios costumavam ensinar; ‘quem ora pelas necessidades dos outros e está também necessitado, receberá primeiro. ’ Talmud Bava Kamah. Há sempre um compartilhar nas bênçãos quando nós intercedemos e oramos uns pelos outros.
Esta verdade tem as duas faces da mesma moeda, quando nós buscamos o bem para os outros, encontramos o favor de D’us, mas quando nós mostramos indiferença e apatia aos problemas do nosso próximo,desta mesma forma ‘retornará para o nosso próprio peito’.

As Potestades e Principados.
Números 14 9
Tão somente não sejais rebeldes contra o Senhor, e não temais o povo desta terra, porquanto são eles nosso pão. Retirou-se deles a sua defesa, e o Senhor está conosco; não os temais.

Segundo os comentários do Rabino Rashi (1040-1105 “frança” artscroll-chumash), esta proteção se refere às Potestades e Principados dos sete povos Canaanitas.

Um dia de “mau agouro”
Veja Números 14:34-35, 34 Segundo o número dos dias em que espiastes a terra, a saber, quarenta dias, levareis sobre vós as vossas iniqüidades por quarenta anos, um ano por um dia, e conhecereis a minha oposição.  35 Eu, o Senhor, tenho falado; certamente assim o farei a toda esta má congregação, aos que se sublevaram contra mim; neste deserto se consumirão, e aqui morrerão.  

Começando deste dia, a geração inteira do povo de Israel, à exceção de Josué e de Kalev todos os outros morreram no Deserto.

Neste momento os filhos de Israel através de sua rebeldia trouxeram um incidente que iria marcar toda historia de suas vidas e a do mundo.

Os sábios ensinavam que este dia, quando o mau relatório dos observadores foi dado ao povo, ficou conhecido durante a história como um dia de grandes destruições.

Este dia tornou-se conhecido como Tishá B’Av (9 mês de AV)(parte de julh/Ago)

Neste dia, os 10 exploradores deram um mau relatório para os filhos de Israel e segundo o Talmud morreram no mesmo dia.

Números 14:36 – 37, Os homens que Moisés havia mandado para observar a terra trouxeram más informações a respeito dela. E, quando voltaram, fizeram com que o povo reclamasse contra Moisés. Por isso Adonay fez com que fossem atacados por uma praga, e eles morreram…

Este dia, Tishá Be’Av – 9 do mês de Av continuou a marcar a seqüência da história judaica ate os dias de hoje:

* Em 587 A/C, os Babilônios destruíram o primeiro Templo em Jerusalém.

* Em 70 D/C, o segundo Templo em Jerusalém foi destruído por Roma; 

* Em 132 D/C, a revolta do falso Messias Kochba nomeado pelo Rabi Akiva findou-se neste tempo, na batalha de Betar contra Adriano, com Jerusalém completamente destruída e milhares de Judeus mortos pela espada romana, e também começa a grande cisma entre os Judeus crentes em Yeshua e os Judeus não crentes.

Também começa a separação dos gentios crentes (cristãos) dos judeus crentes por causa da forte perquisição romana em todo o império aos judeus.

* Em 1290 D/C, A Grã Bretanha foi o primeiro pais a expulsar os judeus de seu império;

* Em 1492 D/C, A Espanha expulsou todos os Judeus. Os Judeus foram expulsos da Espanha em 2 de agosto, 1492. A maioria fugiu para as terras de Portugal que mais tarde acabariam mortos na fogueira da inquisição e milhares conversos a força ao cristianismo, a inquisição portuguesa duraria quase 400 anos, uma grande destruição para o povo Judeu.

No dia seguinte da expulsão da Espanha em 2 de agosto de 1492, Um homem chamado Cristovão Colombo saiu da Espanha “para as Américas”. Colombo menciona o “êxodo” da Espanha em seu diário, e conecta-o com “Tishá Be’Av.” (9 do mês de Av) 

* Em 1939 D/C , A segunda guerra mundial começou. E os problemas não resolvidos da primeira guerra culminaram com a segunda guerra mundial, levando extrema perseguição aos judeus pelos nazistas, ajudados pelo forte sentimento anti-semita cristão, o final disto é o que conhecemos pelo holocausto.

Um anti-semitismo que fora enraizado tão bem pela inquisição da igreja cristã  frutificou tanto no mundo cristão católico como no mundo cristão protestante europeu. 

* Em 1990 D/C, a primeira guerra do golfo (tempestade do deserto) começou, lá no Iraque (babilônia) trazendo conseqüências que sabemos ate os dias de hoje. E ainda não sabemos o que mais está por vir.

(Em Tishá Be’Av, ou seja 9 do mês de Av . Neste dia fazemos jejum em temor a D’us. Neste ano cai em 10 e 11 de agosto.

No calendário judaico, estes eventos estão todos no mês de Av, o dia quando os Judeus murmuraram contra Eretz Israel, a terra prometida. Como a história conta, Moisés pegou o povo que adorava o Bezerro de Ouro em 17 de Tamuz (20/7/2019 à noite até 21/07/2019).

Por isso, as três semanas do mês de 17 de Tamuz até 9 de Av são chamados “tempo de trevas”.  É o tempo mais triste do ano Judaico.

De 1 a 9 do mês Av são dias de tristeza, os judeus tiram os seus sapatos; sentam-se em uma cadeira e lêem o livro de Lamentações.

O exílio é a marca maior desta data do nono dia do mês de Av. Contudo, ainda virá um tempo quando D’us os converterá em dias de festa.

Veja Zacarias. 8-19:
Assim diz Adonay Tzevaot; o jejum do quarto mês [17 de Tamuz], e os jejum do quinto mês [9 de Av], e o jejum do sétimo mês [1 de Tshrei ou 3 de Tshrei – jejum de Gedalia], e o jejum do décimo mês [10 de Tevet – cerco de Jerusalém], se convertera em gozo e alegria e festas solenes para a casa de Judá; por isso, ame a verdade e a paz. Zacarias. 8-19

A geração inteira dos filhos de Israel dos que saíram do Egito foram condenados a morrer no deserto. Todos os anos, até o 40° ano, na véspera de 9 do mês de Av, Moisés ordenava os filhos de Israel, “Vão para fora do acampamento e comecem a cavar!”

Os homens, então, saiam, e cavavam sepulturas, e dormiam nelas durante a noite. Na manhã seguinte, um mensageiro proclamava: “Deixe os vivos separarem dos mortos!”.

Muitas pessoas tinham morrido durante aquela noite, mas os sobreviventes voltariam para o acampamento por mais um ano, e no outro ano seria mesma coisa ate o 40° ano.

No 40° ano, ninguém morreu. Uma vez que eles pensaram que poderiam ter contado os dias incorretamente, eles dormiam em suas covas mais uma noite adicional.

Isso durou até o 15° dia do mês de Av, quando finalmente perceberam que ninguém iria mais morrer, então posteriormente declaram Tu B’Av (15° de Av) como um dia de alegria (Talmud Yerushalmi, Ta’anit 4:6).

Os 10 testes:
Veja Números 14:22-23, nenhum desses homens viverá para entrar naquela terra. Eles viram a minha glória e os milagres que fiz no Egito e no deserto. No entanto 10 vezes puseram à prova a minha paciência e não quiseram me obedecer. Eles nunca entrarão na terra que jurei dar aos seus antepassados. Nenhum daqueles que me abandonaram verá aquela terra..

O número dez é o número que representa “prova ou teste”. D’us “tolerou” ate 10; ‘dez vezes puseram à prova a minha paciência’ 

  1. Egito no mar vermelho [Êxodo 14:11]. Foi porque não havia sepulcros no Egito que de lá nos tiraste para morrermos neste deserto?
    2. As águas amargas de Marah [Êxodo 15:24]. 24E o povo murmurou contra Moisés, dizendo: Que havemos de beber?
    3. Quando reclamaram por comida [Êxodo 16:3]. 3Pois os filhos de Israel lhes disseram: Quem nos dera que tivéssemos morrido pela mão do Senhor na terra do Egito, quando estávamos sentados junto às panelas de carne, quando comíamos pão até fartar! porque nos tendes tirado para este deserto, para matardes de fome a toda esta multidão.
    4. Quando guardaram maná [Êxodo 16:20]. 20Eles, porém, não deram ouvidos a Moisés, antes alguns dentre eles deixaram dele para o dia seguinte; e criou bichos, e cheirava mal; por isso indignou-se Moisés contra eles.
    5. Quando saíram para colher maná no Shabat [Êxodo 16:27]. 27Mas aconteceu ao sétimo dia que saíram alguns do povo para o colher, e não o acharam.
    6. Quando reclamaram por água [Êxodo 17:2]. 2Então o povo contendeu com Moisés, dizendo: Dá-nos água para beber. Respondeu-lhes Moisés: Por que contendeis comigo? Por que tentais ao Senhor?  7. Quando adoraram o bezerro de ouro [Êxodo 32:4].  4ele os recebeu de suas mãos, e com um buril deu forma ao ouro, e dele fez um bezerro de fundição. Então eles exclamaram: Eis aqui, ó Israel, o teu deus, que te tirou da terra do Egito.
    8. Quando rebelaram aos mandamentos de D’us [números 11:1]. E aconteceu que, queixou-se o povo falando o que era mal aos ouvidos do SENHOR; e ouvindo o SENHOR a sua ira se acendeu; e o fogo do SENHOR ardeu entre eles e consumiu os que estavam na última parte do arraial.
    9. Quando se queixaram que o maná não era bom [números 11:4]. E o vulgo, que estava no meio deles, veio a ter grande desejo; pelo que os filhos de Israel tornaram a chorar, e disseram: Quem nos dará carne a comer?
    10. Quando acreditaram no que os dez lideres relataram sobre a terra prometida de Israel [números 14:22,23]. E que todos os homens que viram a minha glória e os meus sinais, que fiz no Egito e no deserto, e me tentaram estas dez vezes, e não obedeceram à minha voz,Não verão a terra de que a seus pais jurei, e nenhum daqueles que me provocaram a verá.O impacto do relatório dos 10 lideres bateu nas escalas da “paciência” de D’us. Isto é muito importante sabermos, pois mostra que há um lugar onde a “paciência” de D’us “termina”. “Daí Você não pode contar com a graça de D’us.”

Números 14:40, De manhã bem cedo, começaram a entrar na região montanhosa. Eles diziam: – Agora estamos prontos para ir até o lugar que o S-NHOR nos havia prometido. De fato, nós pecamos.

Guarde este princípio: A descrença em uma promessa de D’us faz com que haja a perda do benefício dessa promessa. Para cada uma de suas ações há uma conseqüência.

Mesmo que as palavras deles exponham uma atitude de arrependimento de coração, agora já era tarde demais! Pois sofreram as conseqüências de suas atitudes. ‘Não sejam teimosos, como os seus antepassados foram em Meribá’ [salmo 95:8 – 11; Êxodo 6:9 – 12; Ezequiel 20:5 – 9].

Qual foi o resultado?  Números 14:44-45, Mesmo assim os israelitas teimaram em querer entrar na região montanhosa, mas nem a arca da aliança de D’us, nem Moisés saíram do acampamento Então os Amalequitas e os Cananeus que moravam naquela região montanhosa atacaram, e derrotaram os israelitas, e os perseguiram até Horma…

Quando D’us disser Não, NENHUM PODER no universo pode mudá-lo. O que isto nos ensina? Muita coisa!

Um Midrash rabínico (comentário) ensina que; ‘uma pessoa deve fazer o máximo possível pelos seus objetivos (no âmbito do esforço humano), mas o seu coração deve confiar inteiramente em D’us para o desfecho’. (Pv 16:9).

Raabe

A Haftará (Porção dos Profetas) da Parashá Shelach lechá é um estudo de contraste com a leitura desta Porção.

Aqui podemos avançar alguns anos no tempo, uns 40 anos quando segunda geração dos filhos de Israel estavam prestes a entrar na Terra Prometida, agora sob a liderança de Yehoshua (Josué), sucessor de Moisés.

Desta vez, eram dois espiões מְרַגְּלִים (Miragel): Kalev e Pineas, enviados em segredo para coletar informações sobre a cidade de Jericó.

O mesmo Kalev, Homem que (juntamente com Josué) fizera parte da primeira averiguação da terra cerca de 40 anos antes e Pineas foi o Sacerdote que tinha salvado o povo de uma Praga desastrosa (números 25:7-8).

No início da leitura, os dois espiões chegam à casa de Rachav (Raabe),situada nos muros da cidade. Raabe era uma זוֹנָה אִשָׁה Ishah Zonah – prostituta, e talvez, sua casa fosse uma espécie de pousada para viajantes.

Descreve-se no Talmud que Raabe era uma das quatro mulheres mais bonitas do Mundo: As quatro eram Sarah, Raabe, Abigail e Esther.

Visto que Raabe ajudou aos dois espiões, quando mais tarde veio a cair os muros da cidade de Jericó (números 6:17-25), Raabe e toda a sua família foram salvas de acordo com a promessa dos Espiões e foram incorporados entre o povo judeu (Atos 16:31, Gênesis 7:1, Gênesis 19:15).

Ela depois de se converter ao D’us de Israel tornou-se a esposa de Salmom, um dos príncipes da tribo de Judá (Ruth 4:21; 1°Crônicas 2:11; Mateus 1:5), De acordo com a genealogia de Mateus, Raabe foi a mãe de Boaz (que se casou com Ruth) e foi por conseguinte, a bisavó do Rei David. Portanto Raabe está na linhagem do próprio Messias, Raabe era uma mulher de valor.

Desta Parashá podemos tirar lições importantes, temos que ser como Josue e Calebe, termos olhos de fé mesmo nos momentos mais turbulentos da nossa vida, pois temos um D’us de promessas e que é fiel a sua palavra

Devemos caminhar como Josué e Calebe, juntos, gentio e judeu, não somos melhores do que ninguém,

O Eterno nos deu a lição que no meio de milhares de pessoas Ele escolheu apenas dois para entrarem na terra prometida, um judeu e um gentio.

Como o Rabino Saul disse,quando um gentio se submete ao D’us de Israel, se submete a sua Torá ele é enxertado na raiz da videira e já não há diferença entre judeu e gentio, todos fazem parte da família de D’us.

Devemos falar para o coração
Falar no Coração (b’Lev) ou falar para o coração (el Lev), a escolha é nossa.

Uma pessoa incapaz de ser fortemente agitada pelas emoções não é uma pessoa completa. Mas uma pessoa, cujas emoções tomam as rédeas e orientam suas decisões, freqüentemente farão más escolhas e se darão mal.

Nas Escrituras Sagradas podemos encontrar frases como o seguinte verso:
Quando, pois, disseres no teu coração: Por que me sobrevieram estas coisas?… ‘ Jeremias 13:22.

No texto original em Hebraico algumas vezes lê-se, ‘… disse no seu coração’, enquanto outros vezes lê-ser, ‘… disse para o seu coração. ’

Qual é a diferença?

‘NO coração’ significa que a seu “Celebro” desceu ate seu coração e sua razão se rendeu a suas emoções. E emoções não possuem direção.

‘PARA coração’ significa que seu “Celebro” exerce controle, abordando o coração de uma posição forte e independente.

Notavelmente, a Torá dá dicas desta ferramenta vital para uma compreensão completa em Genesis 8:21 “e Adonay disse PARA o seu coração:…

D’us está nos dando uma orientação para escolhermos imitá-lo.
Cada vez que lemos, ‘E disse no seu coração, ’ uma figura bíblica estará prestes a cometer um erro e ate prejudicar a sua vida. Cada vez que lemos, ‘E disse para o seu coração’, vemos alguém fazendo uma coisa sensata e muitas vezes correta.

Devo assinalar que, infelizmente, as traduções em português falham ao não fazer esta distinção vital, em traduzir o significado da palavra hebraica ‘EL’ – Para e também o significado da palavra hebraica ‘BE’No.

Aqui estão dois exemplos de homens que tinham potencial de grandeza, mas tomaram a direção errada: ‘… e disse Esaú no seu coração…. ’ Genesis 27:41
‘Disse Jeroboão NO seu coração’ 1°Reis 12:26

Nos Salmos 14:1 declaram: Diz o insensato NO seu coração: Não há D’us. Corrompem-se e praticam abominação; já não há quem faça o bem.

Aproveite esses exemplos de pessoas na direção certa. ‘porquanto Ana só PARA o coração falava… ’ 1°Samuel 1:13, ‘David disse PARA o seu coração… ’ 1°Samuel 27:1

D’us nas Escrituras está capacitando-nos com uma mensagem sutil, mas poderosa. Podemos permitir que nossas emoções nos dominem e, em seguida, teremos que usar nossas cabeças para racionalizar as más decisões.

Ou podemos cuidadosamente tomar decisões e, usando a cabeça, e em seguida, convidar nosso coração para fornecer a necessária emoção e entusiasmo para seguir o nosso intento.

Assim diz Adonay: Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele; e achareis descanso para as vossas almas; Jeremias 6:16

Que nós nunca deixemos de seguir o exemplo do judeu Josué e o do gentio Caleb, para que não venhamos a ficar fora da Terra Prometida, da Yerushalaim ha Chadashah, Nova Jerusalém.

Uma parábola sobre o poder da língua
Uma história conta sobre um Rei cujo seu filho estava muito doente.Os médicos disseram ao Rei que só o leite de uma leoa poderia salvar o Príncipe, mas como isso era possível?

Certo homem ligado ao Rei disse-lhe que, se o Rei lhe fornecesse dez cabras, ele receberia o leite desejado. O Rei concordou e prometeu ao homem grande honra e riquezas se ele fosse bem-sucedido no intento.

Posteriormente, a cada dia o homem dava uma cabra para uma leoa comer. Passando-se os dias, a leoa começou a confiar na presença do homem, e no décimo dia, a leoa adquiriu suficiente confiança nele para permitir que ele tirasse o leite.

Mais tarde naquela noite, o homem teve um sonho estranho: Os seus órgãos começaram a argumentar quem foi o responsável por este grande sucesso. A mão alegou ter o credito, e, em seguida, os olhos, e assim por diante.

Finalmente, a língua disse; ‘eu sou a causadora deste grande sucesso’. As outras partes do corpo desprezaram a afirmação da língua, mas ela respondeu; ‘vocês em breve vão aprender que tudo depende de mim’

No dia seguinte, entre grande pompa e cerimônia, o homem apresentou o leite para o Rei. Quando ele dirigiu ao trono, no entanto as palavras da língua do Homem saíram como; ‘vim apresentar a você, O Majestade, leite do cão que você solicitou!’

Isto enfureceu o Rei de tal maneira que sentenciou o homem a morte e o colocou-o na prisão. Naquela noite ele mais uma vez teve o estranho sonho.

A língua disse aos órgãos do Homem; ‘vocês viram agora que sou mais importante do que o resto de vocês? Por causa de mim vocês todos serão castigados, levados a morte’.

Todos os outros órgãos admitiram que na verdade a Língua era a maior e a nomearam líder deles. ‘Apenas nos poupe da morte!’ eles imploraram.

No dia seguinte, como o homem estava sendo levado para fora para ser enforcado, ele insistiu que poderia curar, efetivamente, o filho do Rei.

Levaram-no novamente ao Rei, quando ele explicou para o Rei que ele tinha sido mal interpretado, o Rei deu o leite ao seu filho, que, em seguida, imediatamente recuperou-se da doença. O Homem foi poupado e se tornou um grande nobre. (adaptado de Midrash Shochar Tov).

 

Translate »